centro-de-linguas

Estudantes a partir do 7º ano do Fundamental podem aprender até seis línguas no contraturno das aulas regulares; conheça histórias de quem faz ou fez um curso de idiomas.

Saber um segundo idioma é importante para conseguir uma boa colocação no mercado de trabalho.

Em São Paulo, os Centros de Estudo de Línguas oferecem aulas gratuitas e com diploma reconhecido de inglês, espanhol, francês, alemão, italiano e japonês. São, ao todo, 200 unidades em todas as regiões do Estado. As matrículas para o 1º semestre de 2017 continuam abertas (veja aqui a lista de escolas).

Resultado de imagem para aula cel idioma

Os cursos do CEL são oferecidos por professores da rede no contraturno das aulas regulares – manhã ou tarde. Para cada idioma, são adotados materiais próprios com foco no ensino de gramática, leitura e conversação. Além disso, a proposta pedagógica é também investir na imersão cultural. Por isso, elementos de culinária, história, arte e música são utilizados em sala.

Para fazer o cadastro, basta comparecer à uma unidade com um documento oficial. Mas é preciso ficar atento aos requisitos: 1) as classes de inglês são direcionadas a alunos do Ensino Médio e têm duração de um ano; 2) os demais idiomas são oferecidos a estudantes a partir do 7º ano do Ensino Fundamental e divididos por seis semestres.

cel

Veja histórias de alunos e ex-aluno do CEL

Julia Gomes (espanhol): foram as aulas que levaram a estudante da 3ª série do Ensino Médio a um intercâmbio no México. Com planos de prestar vestibular para Relações Internacionais, Julia acredita que o conhecimento de idiomas influenciaram na decisão. “Em sala de aula sempre trabalhamos a cultura dos países e isso me fez querer conhecer outros lugares e culturas”.

Leonardo Pinto (alemão): em junho, depois de prestar a prova de proficiência do Instituto Goethe e conquistar o segundo lugar geral, o estudante da E.E. Plínio Negrão passou uma semana em um resort do Instituto. Durante o tempo por lá, o aluno pode aprofundar o vocabulário e se comunicar somente na língua estrangeira.

Rafael Colen de Almeida (japonês): ainda durante o curso no CEL Fadlo Haidar, Rafael teve a chance de passar duas semanas no Japão. “O ponto chave foi não ficar somente no aprendizado da língua e poder ter um contato maior com a cultura. Graças ao meu domínio da língua pude trabalhar como atendente bilíngue e ir a treinamentos e reuniões.

Enquete

Como você prefere estudar enquanto está em casa?

Comentários (0)

Compartilhar por email