A Polícia Federal prendeu dez suspeitos de planejar ataques terroristas durante as Olimpíadas do Rio, mas afirmou que eles eram amadores e que o risco de conseguirem atacar era mínimo.

A Divisão Antiterrorismo da Polícia Federal investigou o grupo pela internet e descobriu que eles fizeram um juramento virtual ao grupo terrorista Estado Islâmico. Por esse motivo, eles foram presos e serão investigados.

Vários fizeram um batismo no Estado Islâmico pela internet e portanto, tiveram contato mais próximo com o grupo terrorista.

A partir disso não houve mais contato nem para planejamento nem para financiamento, esse foi o único contato via internet.

Depois do batismo virtual, os brasileiros passaram a trocar mensagens pela internet e por aplicativos para combinar treinamentos em artes marciais e comemorar atos terroristas na França.

Planejaram, ainda, a compra de um fuzil AK-47 em um site clandestino no Paraguai. Investigadores rastrearam os e-mails da tentativa de compra da arma e de munição. Os investigados trocavam informações, principalmente, em redes sociais.

Centro e trinta policiais participaram da Operação Hashtag, que prendeu suspeitos de terrorismo em dez estados: Amazonas, Ceará, Paraíba, Goiás, Minas Gerais, Rio, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Mato Grosso.

A operação é secreta, por isso os nomes dos investigados não foram divulgados.

Além das prisões e de 20 buscas, a Justiça autorizou quebras de sigilo telefônico e de e-mails dos investigados.

 

Enquete

Há quanto tempo você é leitor do Joca?

Comentários (0)

Compartilhar por email