Meu filho está precisando de terapia? Como faço para saber? Será que a culpa é minha? São muitos os questionamentos que os pais costumam ter em relação ao desenvolvimento das crianças.

Mas não se preocupe! Dúvidas são naturais e procurar saná-las indica que você se preocupa e está sempre em busca de oferecer o melhor. Quando o pequeno está em idade escolar (8 a 14 anos), é mais comum que essas incertezas apareçam.

Essa é uma fase de constantes mudanças, experimentações, descobertas sobre o corpo e ampliação das relações sociais. Em alguns momentos, é recomendado um acompanhamento profissional.

A seguir, vamos lhe informar sobre o campo da psicologia infantil, para que você descubra se a criança no psicólogo é a melhor alternativa para o seu caso. Acompanhe:

Psicologia infantil

O que é?

O ramo da psicologia infantil é um dos mais pesquisados hoje em dia. Trata-se de uma área que estuda o desenvolvimento da criança desde a infância até o início da adolescência.

Nessa investigação, também são empregadas ferramentas que possam favorecer o seu desenvolvimento, a sua autoestima e o senso crítico, ajudando-a com algum possível problema ou conflito.

Quais as especificidades da infância?

Essa é uma fase da vida de descobrimentos. Dessa maneira, muitas vezes, nem mesmo a própria criança consegue localizar o que está lhe fazendo mal.

Cada uma reage a essa adversidade à sua maneira, com, por exemplo: inquietação exagerada, agressividade, dificuldade de se relacionar com outras crianças, hábito de ficar “colado” demais com os pais etc.

Como funciona o atendimento?

O psicólogo infantil possui uma gama variada de técnicas que podem ser utilizadas. Essa variedade se dá porque os problemas que a criança é capaz de apresentar exigem isso.

O atendimento pode abranger questões de comportamento, desenvolvimento cognitivo, interação social, dificuldade escolar etc. O que é comum a todas essas subáreas é o fato de se buscar o bem-estar dos pequenos. Isso é feito por meio da criação de um ambiente lúdico, onde o paciente se sente à vontade e consegue expressar sentimentos, angústias e dificuldades, seja conversando, desenhando, brincando ou a partir de testes psicológicos.

Como buscar um psicólogo?

Antes de procurar um profissional, pesquise e busque indicações. Hoje em dia, há uma oferta muito grande de tratamentos, mas nem sempre eles são indicados. Existe uma medicalização excessiva da infância, fruto de diagnósticos equivocados.

Lembre-se de que um diagnóstico pode significar uma etiqueta que acompanhará seu filho para o resto da vida. Mas crianças falam e têm o que dizer!

Escutá-las, entender o modo que elas encontraram para lidar com seus sofrimentos e ajudá-las a encontrar saídas melhores a partir do que é próprio de cada uma é o caminho que, geralmente, um profissional qualificado busca.

Os momentos de levar a criança ao psicólogo

Existem alguns sinais aos quais os pais devem ficar atentos. Eles podem indicar que o seu filho está precisando de ajuda.

Apesar de serem variados, existe um denominador comum entre eles: o aparecimento de um comportamento que se repete de forma intermitente, que cause prejuízo à vida cotidiana. Dito isso, vamos aos sinais!

1. Tristeza e choro desmotivados

A fase da infância, como foi dito, tem como característica a vontade de descobrir tudo o que está à sua volta. O que causa essa curiosidade é a vivacidade que a criança geralmente apresenta.

Ficar pelos cantos, triste, com choros imotivados ou comportamentos diferentes do que apresentava até então, pode ser um sinal.

2. Distúrbios físicos

Os problemas físicos nem sempre são biológicos: eles podem ser causados por questões emocionais. Os distúrbios físicos mais influenciados por fatores psicológicos são: dificuldades de se alimentarde dormir e de ter controle intestinal.

Depois de um bom tempo que a criança aprendeu a controlar o ato de urinar e defecar, não é comum que ela os faça na calça ou na cama, por exemplo. Esse problema ainda pode vir acompanhado de ansiedade e irritabilidade excessiva.

3. Compulsão alimentar

A compulsão alimentar é um sintoma contemporâneo que está aparecendo com frequência nos consultórios e merece um tópico a parte. Ela se manifesta tanto em relação a um consumo de comida de forma exagerada quanto em momentos nos quais a criança não come.

Esses são sinais importantes de que ela pode estar passando por embaraços psicológicos.

4. Dificuldade de interação social

A sociabilidade dos filhos é motivo frequente de preocupação dos pais, levando-os a recorrer ao psicólogo infantil. Esse sentimento ocorre principalmente quando a criança tem uma personalidade mais introspectiva, apresenta dificuldade de fazer amigos e não consegue se comunicar verbalmente.

As causas desse quadro são diversas — e nem sempre é uma questão de personalidade. Um bom critério de diferenciação é observar o grau desse sintoma e perceber se ele vem acompanhado de outros.

5. Intolerância e hostilidade

Nessa fase da vida, o seu filho está aprendendo como se dão as regras sociais (ou seus limites em relação aos outros). Em razão disso, é comum que, às vezes, faça “birra” e se mostre intolerante quando um limite lhe é colocado.

Isso não é motivo para levá-lo a um psicólogo. Mas, se esse comportamento for observado frequentemente, o psicólogo infantil poderá lhe ajudar a detectar o que está acontecendo.

Outra dica é incentivar a leitura de livros que informem de maneira lúdica que a criança está inserida em um mundo grande, com muitos problemas, e, por isso, o respeito e o limite são tão importantes. Obras como: Um Dia, um Rio (de Leo Cunha e André Neves) e Brasil de Fio a Pavio (de Gilles Eduar) são algumas das opções.

6. Dificuldade em aprender

Cada criança tem um ritmo de aprendizagem, bem como pode apresentar dificuldades em determinadas matérias. Algumas aprendem a ler antes mesmo de entrar na escola, outras desenvolvem essa habilidade depois. Umas têm dificuldade com os números, outras não.

Entretanto, mesmo com essa particularidade de cada uma em relação ao aprender, existe uma margem do que é esperado para cada fase de desenvolvimento. Converse com os professores e ajude nas lições de casa, pois isso te ajudará a perceber se é necessária a ajuda de um profissional.

Uma boa forma de evitar esses impasses em relação à aprendizagem é incentivar os filhos desde pequenos à leitura, dar o exemplo desse hábito para eles, investir em brincadeiras educativas etc. Essas pequenas atitudes reverberarão de forma positiva no futuro de cada um.

Depois de indicar todos esses sinais de que algo pode não estar indo bem com o seu filho, salientamos que é preciso respeitar a personalidade de cada um. Não se deve tentar moldar o jeito das crianças a partir das fantasias dos pais.

É importante observar se esses comportamentos acontecem de forma repentina, repetida e em grau elevado. Bom senso é importante nesse momento.

Agora que você já sabe como é a dinâmica de uma criança no psicólogo, deixe um comentário e compartilhe suas dúvidas ou experiências em relação à psicologia infantil!

Enquete

Pelo o que você mais está esperando em 2022?

Comentários (0)

Compartilhar por email