O Parque dos Naufrágios terá 18 embarcações no fundo do mar e serão 29 na costa inteira

Rebocadores serão afundados a distância de até 13 metros do Porto do Recife / André Nery/JC Imagem
Rebocadores serão afundados com distância de até 13 metros do Porto do Recife
André Nery/JC Imagem

Quatro barcos rebocadores que estavam sem uso no Porto do Recife serão transformados em atração turística.

Resultado de imagem para naufragio recife

Nesta quarta, os barcos São José, Bellatrix, Phoenix e Virgo serão afundados no Parque dos Naufrágios, elevando de 14 para 18 o número de embarcações que funcionam como recifes artificiais no parque, onde já foram encontradas 170 espécies de peixes.

Resultado de imagem para naufragio recife

A costa pernambucana passará a ter 29 naufrágios, o que consolidará o Recife, como capital brasileira de mergulho nesse segmento.

Foto: André Nery/JC Imagem

Pela primeira vez, três barcos serão submergidos de uma só vez.

São José, com 24 metros de comprimento, Bellatrix e Phoenix, cada uma com 30 metros, ficarão a 13 quilômetros da costa, a uma profundidade de 28 metros.

Foto: André Nery/JC Imagem

Virgo, que mede 26 metros, será levado a 11 quilômetros do Porto do Recife, a uma profundidade de 25 metros e distante 200 metros de um outro barco naufragado propositalmente em 2006, o Tauros.

Resultado de imagem para naufragio recife
Eles serão amarrados entre si por cordas de aço e arrastados por um rebocador até os locais das submersões. Lá, técnicos abrirão as válvulas para permitir a entrada da água, que os fará afundar.
Legenda
Os naufrágios deverão ocorrer em torno de uma hora e meia, mas todo o processo, incluindo o deslocamento e a vistoria feita por equipes de mergulhadores, está previsto para durar dez horas.
“Foram oito meses de preparativos, com remoção de todas as substâncias prejudiciais ao meio ambiente e aos mergulhadores, como óleos e combustíveis, e estudo da melhor área para submersão. Tudo acompanhado pelos órgãos ambientais do Estado e do município”, disse o biólogo da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE) Henrique Maranhão.
“Lá o solo é arenoso, longe dos recifes, e os barcos servirão como oásis para os peixes, para se proteger de predadores e encontrarão alimentos, pois algas, corais e esponjas vão se formando nas estruturas”.
A previsão é de que os navios fiquem totalmente tomados pela vida aquática entre seis meses a um ano.
Fonte: JC Online

 

Enquete

Pelo o que você mais está esperando em 2022?

Comentários (3)

  • escola erico

    4 anos atrás

    Muito legal

  • julie kaiser

    4 anos atrás

    muito legal

  • Joca

    4 anos atrás

    Oi Julie! Pois é, agora os peixes terão mais um abrigo! Continue a ler e escrever para o Joca!

Compartilhar por email