Depois das medidas adotadas na cidade de Xangai (saiba mais na edição 186 do Joca), autoridades de Pequim, capital da China, anunciaram em 30 de abril que a cidade também passaria a ter novas restrições para conter a covid-19. Isso aconteceu após a região atingir a média de 50 novos casos por dia, indicando um novo surto.

Em 4 de maio, a capital de 22 milhões de habitantes fechou 60 estações de metrô e 158 linhas de ônibus. O retorno às aulas presenciais foi adiado indefinidamente, bares e restaurantes não podem abrir para o público e vendas ocorrem apenas por delivery — até os entregadores são controlados, pois policiais podem impedir que eles entrem em áreas onde já estejam circulando muitos profissionais. É possível trabalhar presencialmente, mas o governo incentiva a permanência em casa.

Segundo o porta-voz do governo municipal, Xu Hejian, essas medidas são necessárias porque a região vive uma onda de casos ainda maior do que a de junho de 2020, a pior até então. A situação de restrição está provocando estresse entre os moradores, por isso Pequim criou um aplicativo de apoio à saúde mental. Nele é possível encontrar artigos sobre como lidar com a ansiedade, músicas relaxantes, jogos e uma linha direta para ser atendido por psicoterapeutas.

#pracegover: duas pessoas andando de moto vestem trajes de proteção em local usado para
testagem em massa em Pequim, capital da China. O rosto está coberto por máscaras. Crédito de imagem: Andrea Verdelli/Getty Images

Depois de uma testagem em massa nos habitantes, autoridades locais anunciaram, em 5 de maio, que conseguiram detectar a cadeia de transmissão do vírus. Ou seja, descobriram quem está espalhando a doença e em quais regiões essas pessoas moram. A notícia indica que as restrições podem terminar em breve. Porém, até o fechamento desta edição do Joca, ainda não havia uma data oficial para que isso ocorresse.

Xangai
As medidas adotadas em Pequim não foram tão severas quanto as aplicadas na cidade de Xangai. Por lá, após o governo chinês confirmar, em 29 de abril, que continuará com a estratégia “covid zero” (que inclui lockdown), moradores fizeram um panelaço, protesto em que se bate em panelas.

No dia 6 de maio, o vice-prefeito de Xangai, Wu Qing, afirmou que a cidade já superou a pior fase do surto. “(…) a situação de prevenção e controle epidêmico de nossa cidade está melhorando constantemente e a epidemia está sob controle efetivo”, disse em depoimento publicado pela agência de notícias Reuters. Ainda segundo informações da agência, as restrições na cidade seguem até o fi m de maio. No portal do Joca, entenda como o lockdown em Xangai afeta o porto da cidade e a distribuição de diversos produtos para o mundo todo.

Fontes: CNN, Estadão, Euronews, Folha de S.Paulo, Istoé, , O Globo, R7, Reuters e UOL.

Texto originalmente publicado na edição 187 do jornal Joca.

Enquete

De qual capa do Joca em 2022 você mais gostou até agora?

Comentários (6)

  • .

    1 mês atrás

    A china não se vacinou e olha no que deu

  • alunosjunqueiropolis21

    1 mês atrás

    Eu gostei muito das medidas adotadas.

  • alunosjunqueiropolis12

    1 mês atrás

    Eu gostei que a cidade Xangai terá restrições contra a COVID.

  • 1 mês atrás

    eu gosto d e saber informações sobre os casos da COVID e a importância de cuidar mais da saúde!

  • .

    1 mês atrás

    eu tambem

  • alunosjunqueiropolis1

    1 mês atrás

    Eu achei interessante da COVID-19, as medidas adotadas na cidade de Xangai.

Compartilhar por email