Pesquisadores da Universidade de Cambridge desenvolveram um jogo para ajudar a melhorar a memória dos pacientes que têm demência, doença incurável que consiste na perda de funções cerebrais, como memória e raciocínio e que tem poucos medicamentos para aliviar os sintomas (veja abaixo).

O game foi testado por cientistas britânicos em um pequeno grupo de pacientes com a doença durante um mês. O jogo treinou o cérebro e melhorou a memória de 40% de pacientes nos estágios iniciais de demência.

Game treina o cérebro e ajuda na perda de memória

George Savulich é o líder do estudo na universidade e pretende usar o game em pesquisas sobre o envelhecimento saudável e a doença de Alzheimer, que é responsável pela perda de memória.

No entanto, por mais que os resultados tenham sido positivos e alguns especialistas independentes tenham reconhecido sua importância, o jogo ainda precisa ser testado em mais pacientes e em combinação com outras formas de treinamento do cérebro.

De acordo com a Organização Mundial de Saúde (OMS), a demência é um problema global de saúde. Segundo dados da organização, em 2015 cerca de 47,5 milhões de pessoas apresentavam demência.

SINTOMAS DA DEMÊNCIA

* Confusão mental, perda de memória, confusão durante a noite, desorientação, incapacidade de falar ou entender, invenção de coisas ou incapacidade de reconhecer coisas comuns
* Agressão, irritabilidade, mudanças de personalidade, falta de moderação ou vagar sem rumo e se perder
* Ansiedade, apatia, descontentamento geral, mudanças de humor ou raiva
* Dificuldade em adormecer ou distúrbios do sono
*Incapacidade de coordenar movimentos musculares ou instabilidade ao caminhar
*Depressão ou paranoia
*Dificuldade em engolir, fala embaralhada, incontinência fecal, incontinência urinária ou queda

Fonte: Hospital Israelita A. Einstein

Saiba mais:


Jogos de computador podem causar demência, diz neurocientista 

Durante uma conferência na cidade de Dorset, na Inglaterra, a neurocientista e pesquisadora da Oxford, a baronesa Susan Adele Greenfield, afirmou que “o uso excessivo de jogos de computador pode causar demência nas crianças”.

Ela recomendou que crianças e adolescentes desliguem seus computadores e saiam para a rua para respirar ar fresco. Ela alertou para o fato de que, em um ano uma criança pode ficar mais de duas mil horas em frente de uma tela, o que a deixaria viciada em jogos.

A especialista ainda afirmou que a tecnologia traz benefícios e contribui para o desenvolvimento da criatividade, mas que também pode ser perigosa, pois as “conexões cerebrais podem ser desativadas pelas atividades com forte conteúdo sensorial, causando a demência”.

Susan alertou: navegar em excesso por redes sociais pode fazer o cérebro regredir: – A exposição repetida a flashes de imagens em programas de TV, jogos de videogame ou redes sociais pode infantilizar o cérebro, tornando-o similar ao de uma criança pequena.

Enquete

Há quanto tempo você é leitor do Joca?

Comentários (1)

  • stfrancis

    3 anos atrás

    bom texto

Compartilhar por email