O estudante de engenharia elétrica na Universidade de Caxias do Sul, Maikon Del Ré Perin, de 25, criou uma cadeira de rodas controlada pelo movimento dos olhos.

Divulgação

O projeto faz parte de seu trabalho de conclusão de curso (TCC) na universidade. Para funcionar, o usuário precisa colocar uma máscara que detecta o movimento dos olhos. Olhando para cima, a cadeira vai para frente, para baixo vai pra trás, e para os lados a cadeira vira para a direção do olhar.

A máscara tem eletrodos que captam os movimentos musculares do olho | Divulgação

O estudante adquiriu o conhecimento para desenvolver a cadeira durante um intercâmbio para Reno (EUA), na Universidade de Nevada, pelo Ciências sem Fronteiras, programa criado pelos ministérios da Educação e da Ciência, Tecnologia e Inovação.

Nomeada de eletro-oculografia, a invenção dá autonomia para quem tem problemas nas funções motoras, em especial às que tem Esclerose Lateral Amiotrófica (ELA) – doença do sistema nervoso que enfraquece os músculos e compromete as funções físicas.

“O olho, para esse grupo de pessoas, é o que resta para tentar comandar o corpo e se tornar um pouco mais independente no dia a dia. Assim sendo, foi utilizada a eletro-oculografia como forma de controlar a cadeira de rodas”, explica o estudante.

“Que chegue realmente nas casas das pessoas, que mude a vida delas (…) essa foi minha inspiração para executar esse trabalho”, afirma Maikon | Reprodução/RBS TV

A criação já chamou a atenção de instituições de ensino no exterior. Maikon já esteve em Turim, na Itália, para apresentar o projeto.

Antes de poder ser comercializada, a cadeira deve passar por ajustes e se adequar às normas internacionais de segurança.

Enquete

Há quanto tempo você é leitor do Joca?

Comentários (2)

  • Alunos Alef Peretz

    3 anos atrás

    uau ,esse menino e um engenheiro.

  • Joca

    3 anos atrás

    Grande invenção, não é? Vocês sabiam que a cadeira de rodas é uma invenção antiga? O primeiro modelo que podia ser conduzido pelo próprio usuário foi criado em 1665, por um relojoeiro que tinha uma deficiência física.

Compartilhar por email