escola-internacional

 

Com o aumento do número de pessoas que gostam de assistir e produzir vídeos na internet, algumas escolas decidiram criar oficinas para ensinar os alunos a produzir os seus próprios clipes. É o caso, por exemplo, da Escola Internacional de Alphaville, que, em 2016, criou um estúdio de produção de vídeos.

O professor Felipe Parra diz que, na oficina, os alunos aprendem técnicas básicas, como criação de roteiro, uso da câmera, captação de som, edição, entre outros. “Nós discutimos os aspectos principais, para que eles tenham noções básicas e possam fazer os vídeos”, explica.

Uma das participantes da oficina, Catarina A., de 14 anos, diz que sonha em ter um canal de vídeos sobre assuntos do dia a dia. “Eu tenho esse sonho já faz tempo e já assisto muitos canais no Youtube, como o “Felipe Neto” e o “5inco Minutos”, da Kéfera”.

Para o youtuber Danilo Leonardi, do canal de livros Cabine Literária, a vantagem de ser um youtuber é que você trabalha quando e na hora que quiser. “Você faz seu próprio horário, sua própria agenda”, diz.

No entanto, Danilo, que criou o canal em 2010, época em que, no Brasil, não existiam canais sobre livros, afirma que os youtubers sofrem com os mesmos problemas que qualquer pessoa que está começando a montar o seu próprio negócio. “A desvantagem é não saber quando conseguirá um novo trabalho, se conseguirá pagar as contas. É uma desvantagem parecida com a de qualquer novo empresário”.

Ele sugere que, no começo, a pessoa tenha um outro trabalho, algo que ajude a pagar as despesas, e faça os vídeos no tempo livre: “É importante que, pelo menos no começo, a pessoa tenha um segundo emprego para conseguir pagar suas atividades”.

Top 10 youtubers

A Snack Intelligence, empresa que faz pesquisas e analisa vídeos e imagens da internet, fez uma lista dos youtubers mais influentes do mundo e descobriu que entre os 10 primeiros, quatro são brasileiros como Whindersson Nunes (segundo lugar), Felipe Neto (terceiro lugar), Julio Cocielo – Canal Canalha (sexto lugar) e Felipe Castanhari – Nostalgia (sétimo lugar). O comediante sueco Felix Kjellberg, do canal PewDiePie, ficou em primeiro lugar.

Para criar o ranking, foram levados em consideração aspectos como número de views, inscritos e atividades do canal.

Usuários com menos de 18 anos

A psicóloga Sônia Touro explica que, apesar de a internet ter muitos conteúdos interessantes, as crianças devem tomar cuidado para não acessarem vídeos que não foram feitos para sua idade. “Podemos pensar no Youtube como um grande banquete, em que posso me servir de tudo e de que quanto eu quiser. Só que, como qualquer um pode colocar os pratos na mesa, a comida pode estar estragada, contaminada, feita com ingredientes ruins. Assim deve ser com os vídeos, temos que escolher os melhores porque tem muitos ruins e impróprios para crianças”.

“A Galinha Pintadinha” é um dos canais mais acessados pelas crianças brasileiras

Sônia diz que a melhor forma da criança fazer bom uso do Youtube é contando com a ajuda dos pais ou responsáveis. “Até uma certa idade, os pais têm que ajudar nas escolhas e colocar limites, dizendo o que ela pode ver e por quanto tempo”.

Por dentro do universo dos youtubers

Entrevista com Luís Mauro Sá Martino, professor de comunicação e autor de livros como “Teoria da Comunicação” e “Teoria das Mídias Digitais”.

Por que você acha que os youtubers estão fazendo tanto sucesso hoje em dia?
Acho que eles encontraram uma maneira de falar diretamente com seu público. Afinal, de alguma maneira, youtubers fazem parte do mesmo público ao qual se dirigem.

Como explicar os haters (pessoas que provocam outras na internet)? Por que as pessoas fazem tantos comentários maldosos no Youtube?


Acho que há uma sensação, que muitas vezes não é real, de liberdade. O fato de estarem atrás de um computador cria uma ideia de proteção, permitindo ao “hater” fazer seus comentários sem ter que lidar com os problemas que seu comentário teria.

 

Enquete

Pelo o que você mais está esperando em 2022?

Comentários (0)

Compartilhar por email