Edição 157, incêndios na Califórnia
Imagem: David McNew/Getty Images

A temporada de incêndios florestais na Califórnia, Estados Unidos, já é uma das piores da história, segundo o departamento de proteção contra incêndios do estado. Mais de um milhão de hectares foram atingidos pelo fogo neste ano — 1 hectare tem mais ou menos o mesmo tamanho de um campo de futebol. A área total destruída pelas chamas em 2020 é a maior desde 1987, quando os dados começaram a ser registrados.

O governo da Califórnia decretou estado de emergência. Milhares de pessoas tiveram que deixar a casa em que viviam para fugir do fogo, mesmo em meio à pandemia do novo coronavírus. Até o fechamento desta edição, tinham sido registradas 20 mortes na região. Mais de 6 mil estruturas, como residências e prédios, foram destruídas. Aproximadamente, 17 mil bombeiros trabalham para conter as queimadas. Segundo a agência nacional de combate a incêndios, em toda a costa oeste dos EUA, a área atingida pelo fogo é de 2,8 milhões de hectares, o que equivale ao tamanho do estado de Alagoas. Há pelo menos 87 focos de incêndio em 11 estados, como Oregon e Washington, além da Califórnia.

Motivos

Os incêndios são comuns na região nesta época do ano e funcionam na natureza para renovar o ecossistema. Mas, em 2020, o fogo se alastrou mais do que de costume. Os principais motivos são as temperaturas recordes (acima de 54 graus Celsius (o C) em alguns locais, como o Vale da Morte, deserto da Califórnia — saiba mais na edição 155 do Joca), o clima seco, a falta de chuva e os ventos intensos. Cientistas afirmam que as mudanças climáticas vêm prolongando o verão, o que intensifica o calor e a secura do clima.

A maioria dos incêndios florestais é provocada por seres humanos. Em um caso recente, fogos de artifício durante um chá revelação (para saber se um bebê é menina ou menino antes do nascimento) na Califórnia foram responsáveis por uma queimada. Em agosto, uma tempestade de relâmpagos perto da baía de São Francisco provocou mais de 300 incêndios. Outras possíveis causas seguem sendo investigadas.

A poluição que vem dos incêndios

Em 9 de setembro, fotos publicadas nas redes sociais mostraram o céu de Los Angeles, na Califórnia, laranja por causa poluição. Algumas cidades da costa oeste dos EUA ocupam os piores lugares no ranking mundial de qualidade do ar desde que as queimadas começaram, de acordo com o grupo de monitoramento IQAir.

O dado revela o risco para a saúde respiratória dos moradores da região. Imagens do satélite Copernicus Sentinel-2, do Programa de Observação da Terra da União Europeia, mostram que as nuvens formadas pela fumaça podem chegar a 8 mil metros de altura e se espalhar por 20 quilômetros. Neste ano, a fumaça dos incêndios nos EUA foi tão longe que chegou a Vancouver, cidade do Canadá próxima à fronteira entre os países.

Correspondentes Internacionais

“Os incêndios aconteceram longe de nossa cidade, mas a qualidade do ar está péssima há semanas. Por isso, não podemos sair de casa e, se tivermos que sair, temos que usar máscaras de proteção contra cinzas porque essa poluição é considerada muito perigosa para os pulmões. Às vezes, não dá para ver a rua de tanta fumaça e o sol fica vermelho. Minha preocupação é de que o fogo chegue até aqui. Também é triste saber que os animais e a floresta estão em risco.” Lena S. M., 15 anos, Sacramento, Califórnia, EUA

“Nos últimos anos, durante algumas semanas, a fumaça e as dúvidas pairavam no ar e os incêndios estampavam as manchetes. Mas este ano foi diferente. Os californianos tiveram que lidar com uma nova paisagem. Acordamos um dia com um céu vermelho escuro. Parecia que estávamos em Marte.” Jordan M., 17 anos, Los Altos, Califórnia, EUA

“A fumaça nos mantém presos dentro de casa, mais do que quando estivemos por causa do novo coronavírus. Um dia, o céu estava laranja escuro e tivemos que manter as luzes acesas até o meio-dia para poder enxergar. Outro dia, cinzas caíram do céu.” Sofia, 13 anos, Los Altos, Califórnia, EUA

“Já são tantos dias de céu esfumaçado e de péssima qualidade do ar… Eu me sinto mal por não conseguir caminhar e fazer outras atividades ao ar livre. Estou presa, e respirar ar puro já não é garantido. Toda noite, antes de dormir, peço que a chuva caia.” Mirabella K., 15 anos, Los Altos, Califórnia, EUA

“Agora temos que usar duas máscaras: uma para prevenir contra Covid-19 e outra para impedir que a fumaça entre nos pulmões, o que faz com que seja muito difícil respirar.” Alice T., 14 anos, Los Altos (Califórnia)

“Os incêndios acontecem um seguido do outro que quase parecem rotina agora. Minha família tem uma fazenda perto de onde está o fogo, em Sonoma, e passamos dias ouvindo alertas de evacuação e deixando sacos com itens de primeira necessidade empilhados na porta caso precisemos sair às pressas. Também observamos a coluna de fumaça cada vez maior passando pelas colinas. À noite, os incêndios são quase como um segundo sol, um lembrete constante de como tudo pode facilmente pegar fogo. Esta é uma das coisas mais assustadoras do mundo, observar as linhas do aceiro [áreas sem vegetação, que servem para impedir a propagação de incêndios] se aproximando da sua casa.” Grace, 17 anos, Los Altos (Califórnia)

“Estou estressado com minha família na Califórnia. Nossas vidas normais continuam parecendo cada vez mais difícil de enxergar com essa fumaça nublando sua visão. É uma situação muito desoladora.” Aliya G., 17 anos, Los Altos (Califórnia)

“Estar perto dos incêndios parece uma continuação da pandemia. Não podemos sair de casa. É como se estivéssemos em uma realidade paralela: as manhãs parecem noite e os dias estão se misturando.” Grace F., 15 anos, Los Altos (Califórnia)

“Tenho sorte de morar em São Francisco, perto do mar, mas é assustador ver o sol laranja e me perguntar como seria estar no lugar de uma das famílias evacuadas que aparecem no noticiário. Eu estou muito preocupado com os meus avós que moram no sul da Califórnia. Eles já foram evacuados de casa uma vez e vivem com medo de que isso volte a acontecer. A pior parte é que o que está acontecendo é apenas o começo. ” Serena S., 15 anos, São Francisco (Califórnia)

“Acordar e ver os céus nublados e alaranjados sem saber se poderemos respirar lá fora, definitivamente faz com que eu acredite que o mundo pode realmente estar acabando. Felizmente, na área da baía [onde há mar], não corremos tanto perigo e permaneceremos em nossas casas, mas as cinzas pelo ar viajam tão rápido quanto o medo. Uma coisa positiva dos incêndios é que as pessoas são obrigadas a usar máscaras, reduzindo a disseminação do coronavírus. Nunca achei que poderia perder o céu claro e o ar fresco, até agora. Mando minhas orações para aqueles que perderam tudo.” Ellie K., 15 anos, San Mateo (Califórnia)

“Os incêndios florestais na área da baía têm tido um impacto diário na minha vida: desde a fumaça me impedindo de sair de casa até a preocupação com os meus parentes. Eu me preocupo mais com a minha avó, que é muito sociável. Não quero que ela saia para conversar (mesmo com distanciamento social, claro) com seus amigos e comprometa ainda mais o sistema de defesa do seu corpo por causa da fumaça. Vou até a casa dela porque assim posso incentivá-la a ficar lá, segura comigo.” Sami, 15 anos, San Mateo (Califórnia)

“Jogar basquete com meu pai se tornou uma maneira de fazer exercícios e permanecer ativo durante a quarentena, mas a qualidade do ar prejudicial à saúde da área da baía interrompeu nossos jogos da tarde. ”  Sam, 14, Califórnia

“Felizmente, não tivemos que evacuar ou algo parecido – temos sorte de estar longe o suficiente para que o perigo não seja iminente. O que temos é fumaça, cinzas e céus apocalípticos; a última parte foi aterrorizante, mas como todas as coisas, em uma semana era história e parecia mais uma memória de anos atrás do que a indicação de fogo e morte. Há uma metáfora aqui: essa é a forma como os humanos (e os norte-americanos, em particular) parecem nunca conseguir se lembrar da dor por tempo suficiente para aprender com ela.” Willow T. C. Y., 17 anos, Califórnia 

Enquete

Qual foi o seu game preferido do ano, até agora?

Comentários (2)

  • letier

    3 semanas atrás

    O mais importante agora é preservar o meio ambiente.Essas são algumas dicas:Não jogar lixo no chão,e sim na lixeira,fazer reciclagem,e,uma dica tb,é ver os (4rs) e estudar sobre o meio ambiente.

  • Pedro Letier

    4 semanas atrás

    Eu não entendo,os humanos estão querendo se prejudicar,eu acho,por que eles cometem essas ações que fazem mal para eles

Compartilhar por email