Por Helena Rinaldi

Cansado de ver o rio Atuba, em Curitiba, no Paraná, ficar cada vez mais poluído, o vendedor Diego Saldanha, de 32 anos, decidiu inventar sozinho um jeito de recolher o lixo descartado ali. Chamado de ecobarreira, o sistema é formado por 26 galões de 50 litros, que, ligados por redes de proteção, prendem o lixo arrastado pela correnteza. Assim, a sujeira se mantém unida e pode ser recolhida mais facilmente pelo próprio Diego, que faz isso todos os dias desde janeiro de 2017.

#PraCegoVer: A imagem mostra Diego na beira do rio, usando luvas verdes com uma vara na mão, recolhendo o lixo que ficou preso em sua ecobarreira. A ecobarreira pode ser vista no centro da imagem, em cima da água do rio. Crédito da imagem: arquivo pessoal.

Agora, ele está testando uma novidade para seguir despoluindo o rio por meio de um sistema caseiro para tratamento de esgoto. A seguir, saiba mais sobre as iniciativas de Diego em entrevista que ele deu para o Joca.

O que acontece com os objetos que você recolhe?
Depois que recolho o lixo, separo o que encontro e descarto do jeito certo: o que é lixo vai para o lixo e o que pode ser reciclado, encaminho para a escola dos meus filhos, que vende e investe o valor para melhorias da instituição.

O que você mais encontra no rio?
Garrafas PET, latas e sacos plásticos, mas já cheguei a ver televisão, fogão, capacete e até boneca. Pego esses itens diferentes e faço um museu aberto para as pessoas perceberem quanta coisa não deveria estar lá.

Você sente que a água já está ficando mais limpa?
Com certeza, mas como meu bairro não tem sistema de tratamento de esgoto, muita sujeira é despejada direto no rio. Então, a água continua contaminada. Por isso, estou testando um sistema de esgoto feito em casa. A ideia é que, quando ele começar a funcionar, eu incentive a comunidade a fazer o mesmo.

Esta matéria foi originalmente publicada na edição 125 do jornal Joca.

Enquete

O que você faz logo que recebe uma nova edição do Joca?

Comentários (0)

Compartilhar por email