Uma série de recordes nos números da pandemia foram batidos no Brasil ao longo de março. No dia 25, por exemplo, o país chegou ao pico de novos casos registrados em 24 horas: 100.158, de acordo com o Ministério da Saúde. Um dia antes, a marca de 300 mil vidas perdidas para a covid-19 tinha sido ultrapassada.

Um relatório divulgado pela Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) em 16 de março mostrou que o sistema de saúde está enfrentando o maior colapso hospitalar da história brasileira. Isso significa que há tantas pessoas internadas que é impossível atender a todas. De acordo com a Fiocruz, para controlar a situação, é necessário o uso de máscara, aumentar o distanciamento social, acelerar a vacinação e seguir com as práticas de prevenção, como lavar as mãos frequentemente.

#pracegover: faixa informa o fechamento de praia em São Sebastião, no litoral paulista, com a frase: “Fase vermelha. Covid-19. Não estacione. Praia Fechada”. Crédito de imagem: Jefferson Peixoto_Secom PMS_via Fotos Públicas

Novas restrições
Diante da situação, governos de diversos estados tomaram medidas mais duras para conter o vírus. Algumas cidades do estado de São Paulo (incluindo a capital e alguns municípios da região metropolitana) e o estado do Rio de Janeiro decidiram adiantar cinco feriados para o período entre 26 de março e 4 de abril. O objetivo é que o vírus se espalhe menos, já que menos gente terá que sair para trabalhar. Já quem não concorda com a medida defende que muitas pessoas irão aproveitar a semana para viajar, por exemplo, o que pioraria ainda mais a pandemia.

A maioria dos estados brasileiros adotou toque de recolher em períodos como entre 20h e 5h, além de limitar o horário do comércio e de serviços não essenciais aos fins de semana. O Pará, por exemplo, instaurou lockdown em cinco municípios com situação mais grave, permitindo apenas serviços essenciais. Em Goiás valerá um esquema chamado de “14 por 14”, em que as atividades econômicas permanecem fechadas por duas semanas e voltam a abrir por mais duas.

Boas notícias de Araraquara (SP)
A cidade do interior de São Paulo estava registrando seu momento mais grave da pandemia em fevereiro, com todos os leitos de Unidade de Terapia Intensiva (UTI) ocupados. Por isso, em 21 de fevereiro, foi decretado um rigoroso lockdown no município. Como resultado, o número de casos caiu e não houve mortes causadas pelo vírus entre 25 e 26 de março.

#pracegover: a foto mostra praia em Salvador (BA) cercada com tapumes. Crédito de imagem: Fernanda Carvalho

Duas vacinas brasileiras
No dia 26 de março, o Instituto Butantan (SP) e, horas depois, o Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações anunciaram duas novas vacinas a serem produzidas no Brasil: a ButanVac, do Butantan, e a Versamune, uma parceria entre a Universidade de São Paulo (USP) de Ribeirão Preto, as empresas Farmacore e PDS Biotechnology Corporation e o governo federal. Pedidos para começar testes em seres humanos com as duas vacinas foram feitos à Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que, até o fechamento desta edição, seguia analisando as solicitações.

De acordo com Dimas Covas, diretor do Butantan, a ButanVac pode estar disponível para a população ainda no segundo semestre de 2021. A capacidade de produção, a ser realizada no próprio instituto, pode chegar a 100 milhões de doses por ano.

De acordo com Marcos Pontes, ministro da Ciência, Tecnologia e Inovações, o governo federal direcionou 200 milhões de reais para os estudos com a Versamune. A Farmacore espera que a fabricação no Brasil atenda a cerca de 40% da necessidade atual do país por uma vacina contra a covid-19.

Nova rodada do auxílio emergencial começará em abril
O presidente Jair Bolsonaro anunciou, em 25 de março, que os pagamentos da nova rodada do auxílio emergencial devem começar nos dias 4 ou 5 de abril. O auxílio é um valor cedido pelo governo para ajudar cidadãos de baixa renda durante a pandemia. O benefício pode ser dado para desempregados, trabalhadores informais, autônomos e microempreendedores individuais (MEI). Para receber o dinheiro, além de estar dentro dessas categorias, a pessoa deve pertencer a uma família em que a renda mensal por indivíduo não passe de 522,50 reais ou em que, somando as rendas de todos os membros, a família tenha à disposição um total de até 3.135 reais por mês.

O plano é que o auxílio seja pago em quatro parcelas: abril, maio, junho e julho. Os valores variam entre 150 e 375 reais (saiba mais no box). Estima-se que a nova rodada chegue a 45,6 milhões de pessoas (mais ou menos o mesmo número de habitantes da Argentina). Relembre o auxílio anterior na edição 146 do Joca.

Entenda os valores do novo benefício
Pessoas que moram sozinhas: 150 reais
Famílias comandadas por uma mulher: 375 reais
Famílias não chefiadas por uma mulher: 250 reais

Glossário
Trabalhadores informais: não têm carteira assinada, por isso não podem ter acesso a alguns direitos, como férias com salário. Exemplo: camelô.

Autônomos: trabalham por conta própria. Podem prestar serviços para empresas por um tempo específico, mas não são funcionários fixos. Exemplo: diarista.

Microempreendedores individuais (MEI): têm um pequeno negócio e conduzem sua empresa sozinhos. Exemplo: cabeleireiro.

Números da covid-19 no Brasil
Total de casos: 12.573.615*
Total de mortes: 313.866*
Pessoas vacinadas: 17.710.000**
*Segundo o Ministério da Saúde em 29 de março.
**Our World in Data, em 29 de março.

Quer ajudar a população de baixa renda que está sofrendo com a pandemia? Acesse o site do Joca e veja uma lista de instituições que estão recebendo doações.

Fontes: Agência Brasil, BBC, CNN Brasil, DW, Estadão, Exame, Fiocruz, G1, Instituto Butantan, Metrópole, Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, Ministério da Saúde, O Globo, sites oficiais dos governos estaduais e UOL.

Esta matéria foi originalmente publicada na edição 167 do jornal Joca.

Enquete

Há quanto tempo você é leitor do Joca?

Comentários (2)

  • Renato Simões

    5 meses atrás

    adoro o joca ele da noticias que adoro ler

  • Maricampos

    5 meses atrás

    Nós achamos que as pessoas não estão entendendo o intuito do lockdown, estão achando que são férias para ir a paraias , festas , etc. Marianna Reis,Pedro Fidalgo e Marcos Ziroldo!

Compartilhar por email