“Porque o dinheiro nos liberta. Isso é o que ele faz. Ele nos liberta. É como se tivesse superpoderes.” J. K. Rowling, autora da série de livros Harry Potter

Outro dia, estava assistindo a um programa de entrevistas norte-americano comandado por Oprah Winfrey. Talvez você já tenha ouvido falar dela, pois se trata de uma personalidade de muito sucesso. A entrevistada era J. K. Rowling.

Durante a entrevista, a escritora contou que passou por muitas dificuldades financeiras antes de se tornar uma celebridade internacional e uma das mulheres mais ricas do mundo. Ao ser perguntada sobre o que exatamente o dinheiro fez por ela, Rowling deu a resposta que você leu no início deste texto: liberdade.

Isso resume, muito significativamente, a importância de guardar dinheiro. Mas em que sentido?

Acredito em algumas justificativas principais: 

• Mais tranquilidade: para poder ajudar a si mesmo ou alguém no caso de uma emergência ou imprevisto. Não podemos controlar aquilo que não sabemos, nem evitar que algo saia errado em nossa vida. Mas podemos fazer com que, mesmo que coisas assim ocorram, o impacto não nos prejudique muito. Exemplo: imagine que uma pessoa perdeu o emprego. Será mais difícil tocar a vida enquanto ela não encontra outro trabalho se não tiver dinheiro guardado.

• Para ajudar o próximo: vejo muitas pessoas dispostas a fazer caridade. Mas lembre-se: quanto maior forem as suas economias, maior será a sua capacidade de ajudar aqueles que necessitam.

• Liberdade para fazer escolhas: a própria J. K. Rowling fala sobre isso na mesma entrevista. Hoje, ela e a família, ao discutir onde passarão as próximas férias, podem escolher se irão de carro, barco, avião ou qualquer outro meio de transporte. Basta escolher.

É claro que não podemos comparar a situação econômica da criadora de Harry Potter com a das outras pessoas. Mas imagine a seguinte situação:

1. Você guardou seu dinheiro para poder comprar dois pares de tênis dos quais gosta muito.

2. Foi até a loja com o dinheiro em mãos e viu uma promoção: “Leve 2 e pague 1”. Você pode pegar aquele mesmo dinheiro, comprar dois pares de tênis e levar mais dois. Ou pode optar por ficar com os dois que já havia programado e usar o dinheiro que restar de outra maneira. Ou, ainda, pode guardar esse valor para uma próxima compra. Enfim, a escolha será sua.

Muitos acham que pode ser mais fácil — e interessante — viver o hoje como se não houvesse amanhã e deixar de guardar dinheiro para o futuro. No entanto, ao perceber a liberdade que construir uma reserva financeira pode trazer, nomínimo, você pensará duas vezes antes de gastar tudo.

Um grande abraço!

Marcelo-Coluna-Financas
#pracegover: Marcelo usa camisa cinza e sorri para a foto. Ele segura uma caneta com a mão direita. Ao fundo, uma parede vermelha. Imagem: divulgação.

Marcelo Siqueira – Planejador financeiro certificado CFP®, formado em economia com pós-graduação em mercado de capitais pela FEA-Fipe. Auxilia famílias e pessoas na condução e otimização de recursos, no planejamento e conquista de sonhos e na construção de patrimônio. marcelo.siqueira@futurarplan.com.br.

Tem outras dúvidas sobre dinheiro e finanças? Mande-as para a gente no e-mail: joca@magiadeler.com.br. Estou pronto para ajudá-lo!

Enquete

Qual tem sido a sua diversão preferida durante o isolamento social?

Comentários (0)

Compartilhar por email