Quase 900 crianças deixaram de fazer parte de um grupo de combate ao Boko Haram, organização terrorista da Nigéria, no dia 10 de maio, segundo o Fundo das Nações Unidas Para a Infância (Unicef, na sigla em inglês). Elas atuavam como soldados da Força Operacional Civil Conjunta (CJTF, na sigla em inglês), milícia criada para proteger a população de ataques do grupo extremista.

No total, foram desmobilizados 894 menores, destes, 106 meninas. Eles atuavam em Maiduguri, na região nordeste da Nigéria. A milícia, formada por cidadãos comuns, recebe dinheiro do governo para apoiar as Forças Armadas do país desde 2013. Mas grupos como esses são criticados por nações que apoiam a Nigéria contra o Boko Haram por recrutarem crianças para lutar.

#pracegover: Crianças negras estão sentadas em um chão de areia olhando para o horizonte. Apenas um menino está em pé – ele veste camiseta de time de futebol na cor vermelha com listras amarelas e short verde com uma faixa branca. Crédito: Unicef

“As crianças têm sido usadas por grupos armados em funções de combate ou não. Elas testemunham violência e morte”, disse Mohamed Fall, representante do Unicef para a Nigéria. “Essa participação no conflito tem sérias consequências para o bem-estar físico e emocional delas.” Segundo o Unicef, a partir de agora, essas crianças vão voltar a estudar para que tenham uma vida saudável longe da guerra.

Desde setembro de 2017, 1.727 crianças e jovens foram liberados do trabalho como soldados pelo CJTF. Há dois anos, a milícia assinou um acordo para acabar com a participação infantojuvenil no confronto.

Entenda o conflito

Boko Haram quer dizer “a educação ocidental é proibida”, em português. O grupo surgiu em 2002, com a criação de uma mesquita e uma escola islâmica em oposição ao ensino ocidental, que é muito caro e enfrenta resistência entre os muçulmanos do país, dividido entre islamismo e cristianismo.

A partir de 2009, o Boko Haram começou a fazer ataques para conquistar territórios e transformar a Nigéria em um estado islâmico. Quatro anos depois, os ataques passaram a ser contra os habitantes. O governo respondeu convocando militares e milícias formadas por civis. Países como França e Israel também enviaram soldados para lutar contra o Boko Haram na Nigéria.

Raio x da Nigéria
191 milhões de habitantes no país mais populoso da África
49,3% da população é cristã
48,8% da população é muçulmana
maior exportador de petróleo do mundo
500 bilhões de dólares é o total de riquezas produzidas por ano no país (a maior economia da África)

O conflito em números
1,7 milhão de pessoas ficaram sem casa
3.500 crianças foram recrutadas por grupos armados
27 mil indivíduos morreram
1.400 escolas foram destruídas

Fontes: Al Jazeera, BBC, EBC, Folha de S.Paulo, IstoÉ, ONU e Unicef.

Esta matéria foi originalmente publicada na edição 132 do jornal Joca.

Enquete

Há quanto tempo você é leitor do Joca?

Comentários (0)

Compartilhar por email