É provável que você nunca tenha ouvido falar de Laurinda Lacerda Cintra, nascida em 1904 e líder comunitária e religiosa do interior do Mato Grosso. Conhecida como “Doninha do Tanque Novo” pela grande influência que exercia no vilarejo de mesmo nome, ela é comparada a Antônio Conselheiro, figura histórica que liderou a Revolta de Canudos (1896-1897) no interior da Bahia.

#pracegover: foto de Laurindo, em preto e branco, em Excluídos da História. Imagem: Reprodução de páginas do dicionário

Doninha é uma das personagens do dicionário biográfico Excluídos da História, que inclui 2.251 verbetes sobre pessoas importantes do Brasil que não costumam ser estudadas nas salas de aula. Entre elas estão também o cacique Tibiriçá, indígena nascido antes de 1500 e que participou da fundação da cidade de São Paulo, e a primeira bailarina negra do Theatro Municipal do Rio de Janeiro, Mercedes Baptista.

O trabalho foi feito pelos 6.753 estudantes que participaram da edição 2019 da Olimpíada Nacional em História do Brasil (ONHB). “O projeto foi muito interessante, principalmente pelo fato de conhecer mais sobre a história do meu estado”, diz Gabriel Mariano Costa, 18 anos, um dos estudantes que escreveu sobre Doninha. Ele está no 3º ano do ensino médio do Instituto Federal do Mato Grosso, campus Cuiabá – Coronel Octayde Jorge da Silva.

“A escolha da personagem demandou muitas pesquisas”, contou ao Joca Marina Marques, 19 anos, outra participante da mesma escola. Segundo ela, não havia muitas informações sobre Doninha na internet. A equipe teve que buscar moradores da região onde a líder comunitária viveu para reconstruir a história. “Laurinda Lacerda causou muito desconforto às autoridades, já que era mulher e muito engajada em seu tempo. Por isso, faz-se necessário resgatar do baú pessoas como ela”, afirmou a estudante.

#pracegover: Vó Geralda, em foto em preto e branca, em Excluídos da História. Imagem: reprodução de páginas do dicionário

Olimpíada
A ONHB foi criada, em 2009, pela Universidade Estadual de Campinas (Unicamp) e já teve a participação de mais de 450 mil jovens em uma maratona sobre história brasileira. São seis etapas on-line e uma prova final para definir os medalhistas.

A edição deste ano está com as inscrições abertas até 7 de setembro. Podem participar equipes de três estudantes do 8º e 9º ano do ensino fundamental e do ensino médio, com a orientação de um professor.

Fontes: Agência Brasil e Olimpíada Nacional em História do Brasil.

Esta matéria foi originalmente publicada na edição 155 do jornal Joca.

Enquete

Pelo o que você mais está esperando em 2022?

Comentários (0)

Compartilhar por email