Escola indígena da comunidade Renascer, zona rural de Novo Airão (AM), participante do projeto Educação Ribeirinha. Crédito de imagem: Fundação Almerinda Malaquias/divulgação

Em 5 de setembro, foi celebrado o Dia da Amazônia, a floresta que ocupa grande parte do norte brasileiro, além de outros países. A data é uma boa oportunidade para aprender sobre projetos que trabalham em diferentes setores dentro dos estados amazônicos.

É o caso dos programas desenvolvidos pela Fundação Almerinda Malaquias na cidade de Novo Airão, no Amazonas. A organização — que tem o apoio do Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMbio), da prefeitura e de outras entidades — nasceu como um centro de apoio e capacitação para artesãos e, desde 2005, oferece um espaço de educação ambiental.

“Esse programa se iniciou para atender aos filhos dos artesãos, e hoje estamos com 10% dos alunos matriculados no ensino fundamental 1 e 2 do município, ou seja, cerca de 160 estudantes”, conta Telma Brazilino, diretora da fundação. Os alunos passam, diariamente, quatro horas na escola convencional e três horas e meia na fundação. Eles chegam ao programa com 7 anos, ficam até os 14 e aprendem diferentes assuntos, como educação regional (em que se apropriam das questões ligadas à região onde vivem), diversidade cultural, sustentabilidade, valores humanos, história e geografia de Novo Airão.

“Acredito que a criança sai daqui com, pelo menos, uma mentalidade mais sustentável, cuidando do lixo, de compostagem, chegando em casa e dizendo que não pode tocar fogo, entre outras coisas”,

diz Telma.

Outro projeto que a organização executa desde 2021 é o Educação Ribeirinha, oferecendo a comunidades isoladas uma reforma completa para um total de 25 escolas da rede pública. Para cada instituição de ensino, o projeto oferece o trabalho de um construtor, que emprega pessoas da própria comunidade para fazer a reforma sustentável do prédio.

O projeto de cada construção é elaborado pelo ateliê do arquiteto Marko Brajovic, respeitando a história e identidade de cada região, até mesmo de comunidades indígenas. “Sou muito grata pela escola que tenho, por ser boa e bonita. Eu gostaria que outras crianças como eu também tivessem uma escola como a nossa”, declara Sheriane, estudante de 11 anos da escola indígena da comunidade Renascer, zona rural de Novo Airão.

Escola indígena na comunidade Renascer. Clique na imagem para ver mais escolas desenhadas por Marko Brajovic. Crédito de imagem: Fundação Almerinda Malaquias/divulgação

Trabalhando sustentabilidade em realidades distintas

O Dia da Amazônia também pode ser trabalhado em outras regiões, ensinando sobre sua importância e convidando os alunos a pensar em soluções para a realidade que vivem.

Foi o que o Centro Educacional Unificado (CEU) Paz fez com os estudantes no início de setembro. A partir dos 17 Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), da Organização das Nações Unidas (ONU) — metas assinadas por 193 países com o objetivo de lutar contra questões como fome, desigualdade e poluição —, os alunos do 5º ano assistiram a animações sobre sustentabilidade na biblioteca da escola e pensaram em soluções sustentáveis para o próprio bairro.

“Aqui é uma região extremamente carente e que gera muito lixo”, explica Ana Paula Cavalcante, bibliotecária da escola. “Falta tudo: saneamento básico, coleta e reciclagem de lixo.” Os estudantes discutiram sobre a questão do consumo excessivo e chegaram à conclusão de que ingerir mais alimentos naturais gera menos lixo.

As turmas também finalizaram a produção de um jornal feito ao longo de agosto, no qual abordaram questões ambientais próprias da região, como desmatamento e enchentes.

O CEU recebeu ainda o projeto Circo Ambiental, que utiliza a arte circense para ensinar sobre sustentabilidade. Yasmin V., aluna de 10 anos, acredita que cuidar do meio ambiente é uma maneira de cuidar de nós mesmos. “A gente conversou sobre o meio ambiente, e uma pauta do jornal foi exatamente sobre isso: o desmatamento florestal que prejudica a nós mesmos. A gente precisa investir no agronegócio [mais sustentável], porque, se a gente destruir as árvores, daqui um tempo não teremos ar para respirar”, conclui.

Glossário

Agronegócio: setor da economia que envolve atividades agrícolas (cultivo de vegetais) e da pecuária (criação de animais para produção de alimentos).

Enquete

Sobre qual assunto você gosta mais de ler no portal do Joca?

Comentários (12)

  • Educacional

    2 semanas atrás

    Uau!

  • LUCAS E LEO

    7 meses atrás

    NÓS ACHAMOS INTERESSANTE POIS LEVA EDUCAÇÃO A VARIAS PESSOAS DA REGIÃO AMAZÔNICA , AS PESSOAS QUE CONTRÍBUIRAM PARA QUE VARIAS CRIANÇAS QUE NÃO ESTUDAM PUDESSEM ESTUDAR , PARABÉNS A TODOS.

  • Heitor Gabriel e Vitor

    7 meses atrás

    Achamos muito interessante pois esses projetos dão oportunidade as crianças que não possuem chances para terem o estudo necessário para terem a carreira que sonham, como ser médico,advogado e muitas outras profissões pois moram em uma área que não possui muitas oportunidades por falta de ajuda do governo.

  • Clara e Júlia.

    7 meses atrás

    É muito interessante ter um lugar em que serve de apoio para os artesãos do Amazonas e também de educação ambiental para seus filhos. Outra coisa que chamou atenção foi o fato de ser uma escola que respeita as diferenças entre as crianças, independente de sua origem.

  • Arthur e Renato

    7 meses atrás

    Nós achamos o documentário muito interessante, adoramos adoramos saber sobre outros estados e outras culturas. O projeto de Mark Brajovic foi muito bem elaborado, e inteligente.

  • Ana e Manuela

    7 meses atrás

    É muito importante a educação das crianças , pois muitas delas não tem condições de estudo. E a chance de aprender sobre o artesanato, é algo muito interessante!

  • Ana Lara e Anna Luisa

    7 meses atrás

    Nós achamos o texto muito interessante, porque foi muito legal saber sobre a Fundação Almerinda Malaquias que fica na cidade de Novo Airão no Amazonas, que tem o apoio do instituto do Chico Mendes em conservação da biodiversidade. Foi muito legal!👍

  • Lara e Sofia

    7 meses atrás

    Nós duas achamos muito interessante a criação da escola para filhos de artesãos para oferecer um espaço de educação ambiental, para criarem a mentalidade de sustentabilidade e a importância de reciclar. Elas também podem ensinar alguns adultos que não têm educação ambiental a terem mais conhecimento sobre o assunto.

  • Arthur L. e Migueis

    7 meses atrás

    Achamos muito interessante essa oportunide para os artesãos, assim eles podem mandar suas crianças pra lá enquanto trabalham; é muito importante saber que a cada dia mais pessoas tem acesso as escolas.

  • Arthur e Renato

    7 meses atrás

    Nós achamos o documentário muito interessante, adoramos saber sobre outros estados e outras culturas. O projeto de Mark Brajovic foi muito bem elaborado, e foi uma ideia inteligente.

  • Lauany e Marina

    7 meses atrás

    Desde 2005,receber um espaço de educação ambiental, como um centro de apoio e capacitação de artesão é muito importante para filhos de artesãos,ensinando-os sobre a sustentabilidade e como deverão ser seus atos e atitudes agora e no futuro.

  • Ae

    7 meses atrás

    Arthur e Renato Nós achamos o

Compartilhar por email

error: Contéudo Protegido