Alguns cuidados que ajudam a promover a autoestima das crianças!

Uma criança com autoestima é capaz de aceitar e gostar das características que reconhece em si mesma. Essa é uma sensação que a acompanha nas suas experiências e a ajuda a se relacionar com as pessoas ao seu redor em uma posição de igualdade, de onde é possível agir com espontaneidade. A autoestima, então, preserva a espontaneidade da criança, o que permite que ela cresça capaz de fazer boas escolhas e de se expressar de maneira singular, sem receio de não ser aceita ou de não estar à altura das outras pessoas. Por isso, é tão importante que os pais possam promover a autoestima dos seus filhos, já que é por esse caminho que as crianças podem continuar crescendo e se desenvolvendo.

Muitos pais sabem e entendem que a autoestima da criança é promovida quando ela se sente aceita e amada na relação com eles e com as outras pessoas que fazem parte do seu convívio. Esse cuidado permite que, aos poucos, a criança possa assimilar essa sensação. No entanto, no dia a dia, nem sempre é tão fácil expressar o amor que se sente pelo filho de modo que ele se sinta aceito da maneira como é e goste do que percebe em si mesmo. Isso porque, muitas vezes, algumas crenças ou até mesmo valores dos pais podem interferir na possibilidade da criança de reconhecer e usufruir do amor que lhe é dedicado e desenvolver suas habilidades para que se sinta capaz e orgulhosa das suas conquistas.

Por exemplo, mesmo que os pais não tenham dúvidas a respeito do amor que sentem pelos filhos, quando são guiados por crenças como a criança precisa obedecer sem questionar, ou uma criança educada não sente raiva, é possível que sintam a necessidade de impor castigos muito severos ou que apresentem reações muito intensas diante dos conflitos do dia a dia, como gritos ou até mesmo o desprezo pela criança quando ela age de uma maneira que não corresponde com suas crenças. Esse contexto pode levar a criança a viver a experiência do amor condicional, o que significa que ela sente e passa a acreditar que dependendo da maneira como se comportar, corre o risco de perder o amor dos pais. Ou seja, as crenças dos pais nesses casos podem obstruir a troca de afeto e amor tão essencial para a promoção da autoestima da criança.

Outro exemplo bastante comum de uma crença que pode prejudicar a promoção da autoestima da criança é a ideia de que uma boa mãe é aquela que está sempre disponível para atender prontamente do que a criança precisa. Muitas mães e pais expressam essa crença e agem o mais rápido possível sempre que solicitados pelos filhos para não se sentir culpados. É comum também observar essa crença nas avós que ficam responsáveis pelos cuidados da criança quando os pais estão trabalhando. Nesses casos, é importante reconhecer que durante os primeiros meses de vida, o bebê precisa mesmo ser atendido sempre que expressa uma necessidade.

No entanto, conforme ele se desenvolve e começa a ser capaz de entender o que está acontecendo ao seu redor e tem novas habilidades que, inclusive, lhe permitem buscar do que precisa por conta própria, esse senso de urgência da mãe, do pai, ou dos avós não só perde o sentido como passa a privar o bebê e a criança de desenvolver e treinar suas habilidades. Por isso, a crença de que cuidar bem significa estar sempre presente e disponível pode dificultar e atrasar o desenvolvimento das habilidades da criança, desde a fala até a capacidade de correr, pular, ou mesmo a capacidade de cuidar de si mesma, que é sustentada por habilidades como conseguir vestir a própria roupa e amarrar o sapato, por exemplo. É nesse sentido que se costuma afirmar que superproteção também pode prejudicar a autoestima da criança, já que a criança que não encontra espaço para desenvolver suas habilidades, não pode se sentir satisfeita com as suas conquistas.

Quando os pais se dão conta das crenças e dos comportamentos que reproduzem muitas vezes sem perceber e conseguem ficar mais abertos e menos críticos em relação ao jeito de ser da criança, eles podem usufruir melhor da companhia do filho. A criança, por sua vez, recebe o afeto dos pais sem interferência desses censores que muitos pais carregam dentro de si. A possibilidade de a criança agir de maneira espontânea e se divertir na companhia dos pais ou das pessoas ao seu redor proporciona a ela a experiência de se sentir aceita do jeito que é. Além disso, quando encontra espaço para desenvolver suas habilidades, e estas podem ser reconhecidas e confirmadas pelas pessoas ao redor, a criança não só percebe que pode aceitar quem ela é como também começa a gostar do que percebe em si mesma.

Por isso, vale a pena parar para refletir se existem valores ou crenças que não apresentam um sentido pessoal e que são reproduzidos de maneira automática na relação com seu filho. Se for o caso, é importante trocar experiências com outras pessoas e buscar novas referências para que essas crenças não interfiram no desenvolvimento da autoestima do seu filho!

Texto escrito por Carla Poppa, psicóloga, e veiculado no blog Just Real Moms.
Para ler mais artigos e obter maiores informações, acesse: www.justrealmoms.com.br.

Enquete

Como você está participando dos 10 anos do Joca?

Comentários (1)

  • Ollie

    4 anos atrás

    None can doubt the veitarcy of this article.

Compartilhar por email