Três estudantes brasileiros conquistaram prêmios na maior feira pré-universitária de ciências do mundo, a International Science and Engineering Fair (Feira Internacional de Ciência e Engenharia).

Os estudantes Luiz da Silva Borges, Maria Eduarda de Almeida e Juliana Davoglio Estradioto

A feira foi realizada em Los Angeles, nos Estados Unidos, e a competição contou com aproximadamente 1,8 mil jovens cientistas escolhidos entre 425 feiras de ciências de 78 países.

O estudante Luiz da Silva Borges, do Instituto Federal de Educação de Ciência e Tecnologia do Mato Grosso do Sul, garantiu o segundo lugar com o projeto Hermes Brain deck, uma interface inteligente que serve para comunicação com pacientes em estado vegetativo.

O Hermes Brain Deck é capaz de ler a atividade cerebral e identificar pacientes que foram erroneamente classificados como em estado vegetativo, por não poderem movimentar qualquer músculo, apesar de estarem conscientes.

Luiz Fernando explicou que o computador confeccionado é do tamanho e formato de uma maleta, que contém uma unidade de processamento e um leitor das ondas cerebrais que consegue transmitir o pensamento dos pacientes analisados.

Aproximadamente 1,8 mil jovens de 78 países participaram da premiação

O Hermes Brain Deck ainda não foi testado em pessoas em estado vegetativo, mas o jovem, hoje com 18 anos, firmou parceria com instituições de saúde para levar o projeto adiante e pretende avançar para os testes dentro dos próximos meses.

As alunas Maria Eduarda de Almeida e Juliana Davoglio Estradioto, ambas do Instituto Federal de Educação de Ciência e Tecnologia do Rio Grande do Sul (IFRS), dividiram o quarto lugar. A primeira estudante apresentou um projeto de preservação das plantas nativas brasileiras, enquanto a segunda desenvolveu um novo filme plástico biodegradável com subproduto de Passiflora edulis, mais conhecido como maracujá.

O projeto de Beatriz da Costa e Marcelo de Melo Ramalho também foi premiado

Outros cinco projetos brasileiros também foram premiados por organizações internacionais que fomentam a ciência no mundo. Entre os destaques, está o projeto “Aglomerado de milho: produto ecológico fabricado com cobalto de milho e resíduo de casca, de Beatriz da Costa e Marcelo de Melo Ramalho.

O estudante Matheus Bevilacqua também garantiu a premiação com o projeto “Remoção de íons de metais pesados de águas residuais industriais usando alginato de polissacarídeo algas”.

Enquete

De qual capa do Joca em 2022 você mais gostou até agora?

Comentários (1)

  • Trilhas

    5 anos atrás

    Acreditar na força dos brasileiros é poder ter a certeza de estarmos no cainho certo... Pois passamos por tanto problemas na educação que dois que conseguem representar a nossa pátria são vitoriosos.

Compartilhar por email