O iFood, serviço de entrega de refeições, planeja usar drones para levar pedidos em edifícios. A empresa começará a fase de testes nos próximos meses e já teve uma experiência bem-sucedida no último Carnaval brasileiro, quando um dispositivo entregou uma encomenda em um bloco de rua da cidade de São Paulo.

Em algumas universidades norte-americanas, robôs que entregam comida já fazem parte do dia a dia dos estudantes. Na Universidade da Califórnia, por exemplo, o consumidor pede a refeição pelo aplicativo e ela é transportada do restaurante até o destino por um KiwiBot, robô que usa câmeras e softwares com mapas para se localizar pelo espaço.

Algo parecido também pode ser visto na Universidade George Mason, no município de Fairfax, na Virginia, onde os alunos têm à disposição 25 robôs que se locomovem a 6 km/h e entregam a refeição na frente dos alojamentos.

A decisão de usar robôs, porém, é polêmica. Os defensores alegam que os aparelhos são rápidos, eficientes e mais baratos do que os trabalhadores de entrega e, por isso, a tendência é que sejam cada vez mais usados. Já os críticos afirmam que as máquinas podem tirar parte do trabalho dos humanos.

Fontes: Universidade George Mason, Kiwi Campus, Pequenas Empresas & Grandes Negócios e Reuters.

Notícia originalmente publicada na edição 128 do jornal Joca.

Enquete

Na sua opinião, até agora, qual foi o fato mais importante de 2020 (além da pandemia do novo coronavírus)?

Comentários (2)

  • South Hills Middle School

    11 meses atrás

    Eu quero comi

  • North Cache Middle School

    11 meses atrás

    da

Compartilhar por email