Palestina dá aula de coragem aos refugiados

A palestina Hanan Al Hroub foi eleita a melhor professora do mundo, pela Varkey Foundation. Hanan, que cresceu em um campo de refugiados perto de Belém, na Palestina, ganhou o prêmio Global Teacher, considerado o “Nobel da Educação”, justamente por dar aulas para órfãos que moram nesses locais.

Ela trabalha em Al-Bireh, na Cisjordânia, com crianças que vivem em meio a violência e usa jogos e brincadeiras para dar coragem para eles se sentirem seguros.

Prêmio

Para dar mais importância a profissão de professor, o prêmio foi entregue em Dubai, em uma cerimônia com a presença do ex-primeiro ministro britânico Tony Blair, do vice-presidente dos Emirados Árabes Unidos, xeque Mohammed bin Rashid Al Maktoum e de atores como Salma Hayek.

O anúncio do ganhador foi feito pelo Papa Francisco. Hanan recebeu US$ 1 milhão, disse que “professores podem mudar o mundo” e que o dinheiro irá ajudar seus alunos.

Entre os indicados haviam professores da Índia, Quênia, Finlândia, Inglaterra, Estados Unidos e do Brasil, como Marcio Andrade Batista, que dá aulas no Mato Grosso (MT) ensinando seus alunos a usar a ciência no dia-a-dia. Ele foi o primeiro brasileiro selecionado em três anos do prêmio.

Veja os outros nove finalistas:

  • Maarit Rossi, Finlândia, que desenvolveu seu próprio método de ensinar matemática. A Finlândia tem alguns dos melhores resultados em matemática do mundo em provas internacionais, mas os alunos dela têm resultados ainda melhores que os padrões finlandeses
  • Aqeela Asifi chegou ao Paquistão como refugiada do Afeganistão e dá aulas para crianças refugiadas em uma escola que ela criou
  • Ayub Mohamud, professor de business do Quênia, chegou às finais com um projeto para desencorajar violência extremista e radicalização
  • Robin Chaurasiya de Mumbai, na Índia, fundou uma organização para ensinar e dar apoio a adolescentes em zonas de prostituição
  • Richard Johnson, professor de ciência de Perth, na Austrália, montou um laboratório de ciências para crianças de escola primária
  • Michael Soskil, da Pensilvânia, nos EUA, que já tinha ganhado um prêmio pela “excelência em ensinar ciências e matemática”, motiva seus alunos ao ligá-los a projetos ao redor do mundo
  • Kazuya Takahashi, do Japão, desenvolveu uma iniciativa para ensinar ciências e incentivar a cidadania global
  • Joe Fatheree, de Illinois, dos EUA, foi pioneiro em usar projetos com impressoras 3D, tecnologia de drones e usando games online como Minecraft
  • Colin Hegarty, professor de matemática de Londres que criou um site com aulas online

Enquete

Que tipo de live você mais gosta de assistir?

Comentários (0)

Compartilhar por email