Calculadora epidêmica
A partir de dados da pandemia, esta ferramenta simula como estará a situação no Brasil nas próximas semanas. Por exemplo: em uma simulação iniciada em 3 de fevereiro para as três semanas seguintes, a calculadora mostra a tendência do que deve acontecer nesse período — quantas pessoas devem ser internadas e quantos leitos para pacientes serão necessários em hospitais, entre outros fatores. A ideia não é prever o futuro, e sim usar tendências observadas até agora para ajudar especialistas em saúde pública a se preparar para o que pode ocorrer, como providenciar mais leitos. A ferramenta foi desenvolvida pela Universidade de Brasília e pela Universidade Federal de Mato Grosso do Sul, em parceria com órgãos nacionais de saúde.

Tratamentos e medicamentos
Ainda não existe um remédio ou tratamento capaz de prevenir ou curar a covid-19. Porém, cientistas estão envolvidos com pesquisas quem têm esse objetivo. A Organização Mundial da Saúde (OMS), por exemplo, criou o grupo Solidariedade. Ao todo, 12 mil pessoas, de mais de 30 países, concordaram em participar de testes com remédios propostos pelo grupo. Os profissionais avaliam se o medicamento testado foi capaz de reduzir três fatores: chances de o infectado morrer, necessidade do uso de equipamentos para respirar e tempo de internação. Até o momento, nenhum medicamento teve o efeito necessário.

Por que é tão difícil achar um tratamento contra um vírus?
É um grande desafio — que leva tempo para ser vencido — encontrar um remédio que seja capaz de:

  1. Atingir o vírus na fase de reprodução.
  2. Eliminar o vírus, mas não a célula humana em que ele está.
  3. Ter eficiência mesmo com as mutações do vírus, que podem deixá-lo mais resistente ao medicamento.

O uso da tecnologia para identificar a covid-19
– Em alguns centros de pesquisa, em países como França e Itália, cachorros estão sendo treinados para detectar pelo olfato pessoas infectadas pelo novo coronavírus.
– No Brasil, pesquisadores da Universidade de São Paulo (USP) de São Carlos desenvolveram um teste de detecção da covid-19 com resultado que sai na hora e custa cinco vezes menos para ser produzido. Ele deve estar disponível em abril.
– Em Taiwan, a empresa Brain Navi criou um robô capaz de realizar a testagem. Isso ajudou a evitar contaminação entre profissionais da saúde.
– Nos Estados Unidos, a empresa ZKTeco desenvolveu uma tecnologia que detecta sintomas de covid-19 usando reconhecimento facial.

Soro brasileiro
No Brasil, um soro produzido a partir de anticorpos (moléculas que protegem o organismo) de cavalos para tratamento da covid-19 aguarda a aprovação da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) para começar os testes em humanos. Desenvolvido pelo Instituto de Bioquímica Médica da Universidade Federal do Rio de Janeiro, o soro não funciona como uma vacina, e sim como tratamento para a doença. A previsão é de que o estudo esteja concluído em três meses. Saiba mais sobre essa pesquisa no site do Joca: bit.ly/soro-cavalo-covid.

Fontes: CNN, Estadão, Harvard Medical School, National Institutes of Health, Organização Mundial da Saúde, Organização Pan-Americana da Saúde e Security Magazine.

Esta matéria foi originalmente publicada na edição 164 do jornal Joca.

Enquete

De qual capa do Joca em 2022 você mais gostou até agora?

Comentários (0)

Compartilhar por email