A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autorizou o Instituto Butantan a fazer os testes finais para vacina contra dengue. Nesses testes serão avaliadas qualidade, segurança e eficácia do produto.

 

O desenvolvimento desta vacina é resultado de uma parceria entre o Instituto Butantan e os Institutos Nacionais de Saúde dos Estados Unidos (NIH).
A vacina é feita com os próprios vírus da dengue, que foram modificados para que a pessoa desenvolva anticorpos contra os quatro sorotipos da dengue sem desenvolver os sintomas relacionados a eles.

Os testes têm mostrado que apenas uma dose será eficaz. Trata-se da vacina brasileira contra dengue em fase mais avançada de desenvolvimento, mas há outras iniciativas em andamento no mundo.

Os testes são feitos no Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (HC-FMUSP) e Hospital das Clínicas da Facultade de Medicina de Ribeirão Preto da Universidade de São Paulo (HC-FMRP-USP).

Nessa fase, cerca de 17 mil voluntários serão vacinados em um ano. As vacinações devem ser feitas em 15 centros em todo o país em pessoas de 2 a 59 anos.

Existem outras iniciativas de desenvolvimento de vacina contra dengue no mundo. A farmacêutica Sanofi Pasteur já concluiu a fase 3 de pesquisa e a vacina é a primeira a receber aprovação. A expectativa é que as pessoas tenham acesso a vacina da Sanofi Pasteur ainda no primeiro semestre de 2016.

Já a Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) está envolvida em dois projetos de desenvolvimento de vacina. A farmacêutica japonesa Takeda também está na corrida pelo desenvolvimento de uma vacina contra dengue.

O laboratório Sanofi recebeu aprovação para sua vacina tetravalente contra a dengue.

Saiba mais:

– A aprovação da vacina contra dengue da Sanofi Pasteur é baseada em mais de 20 anos de pesquisa e desenvolvimento, 25 estudos clínicos, mais de 40 mil participantes de diferentes idades, em 15 países, incluindo o Brasil.

– Em indivíduos acima de 9 anos de idade, a vacina contra dengue reduz em 93% os casos graves – aqueles que levam ao óbito – como a dengue hemorrágica.

– Diminui em 80,8% os casos de hospitalização, responsáveis por um alto impacto econômico.

– Tem 66% de eficácia (global) contra os quatro sorotipos da doença.

– A Sanofi Pasteur construiu uma nova fábrica em Neuville-sur-Saône, próximo à Lyon, na França, para produzir doses da Vacina contra Dengue. Para atender ao México, a produção da vacina já começou nas fábricas.

– Estes resultados representam um grande avanço para o controle da doença e estão em linha com a meta da Organização Mundial de Saúde (OMS) de reduzir a mortalidade por dengue em, pelo menos, 50% e a morbidade em, pelo menos, 25% até 2020. A OMS se referiu à vacina contra dengue como parte essencial  dos esforços integrados de prevenção necessários para essa redução.

– É importante ressaltar que a Organização Mundial de Saúde calcula que cerca de 3,9 bilhões de pessoas no mundo todo vivem em áreas endêmicas. Desse total, aproximadamente, 25% destas pessoas estão na América Latina e o Brasil é o País número 1 em casos de dengue no mundo. Em 2015, segundo boletim epidemiológico do Ministério da Saúde, foram registrados mais de 1. 5 milhão de casos.

– O processo de análise regulatória para a vacina contra dengue da Sanofi Pasteur continua em outros países endêmicos. A Sanofi mantém seu compromisso de lançar a vacina primeiramente nos países em que a dengue é uma importante prioridade de saúde pública.

 

Enquete

Há quanto tempo você é leitor do Joca?

Comentários (0)

Compartilhar por email