World Bank President, Jim Yong Kim and Secretary-General of the United Nations, Ban Ki-moon visit with Syrian refugees in the Zaatari refugee camp in Jordan, located 10 km east of Mafraq, Jordan on March 27, 2016. Photo © Dominic Chavez/World Bank

O Presidente do Banco Mundial, Jim Yong Kim e o Secretário-Geral das Nações Unidas, Ban Ki-moon, visitaram campos refugiados sírios na Jordânia.

Foto: Dominic Chavez/ World Bank

O país receberá US$ 100 milhões em empréstimo para ajudar refugiados. O empréstimo de longo prazo, quase todo livre de juros, é parte de um esforço da comunidade internacional para melhorar as condições dos refugiados e dos países que estão sobrecarregados de imigrantes.

Mais de 4,8 milhões de sírios deixaram suas casas desde o início do conflito no país, em 2011. A Jordânia abriga cerca de 640 mil refugiados sírios e o Líbano, mais de 1 milhão.

Foto: Dominic Chavez/ World Bank

O empréstimo a juros baixos oferecido pelo Banco Mundial e outras instituições estão entre as ferramentas utilizadas para realizar ações de educação financeira e criar empregos para refugiados na região do Oriente Médio. O esforço também busca desacelerar a imigração de refugiados para a Europa.

Foto: Dominic Chavez/ World Bank

Kim não soube dizer quando os 100 mil empregos deverão ser criados nem quantos devem ser destinados aos refugiados.

Foto: Dominic Chavez/ World Bank

Outros US$ 100 milhões serão emprestados para o Líbano, para garantir educação para as crianças sírias e as próprias libanesas até 2017.

Foto: Dominic Chavez/ World Bank

O dinheiro para a Jordânia e o Líbano já estava reservado para os países mais pobres. “Nós estamos pegando dinheiro e dando para os países de renda média porque eles têm tomado medidas extraordinárias ao receber os refugiados”, disse.

Foto: Dominic Chavez/ World Bank

Foto: Dominic Chavez/ World Bank

Enquete

Pelo o que você mais está esperando em 2022?

Comentários (0)

Compartilhar por email