Um forte terremoto atingiu a Índia na segunda-feira, dia 6. Os tremores foram sentidos na capital do país, Nova Déli, e nos estados de Himachal Pradesh, Haryana e Punjab.

Segundo especialistas, o abalo teve magnitude de 5,8 graus. Esse número é medido a partir da escala Richter, uma ferramenta que mede a força dos terremotos.

A escala tem números que classificam a magnitude (intensidade) dos abalos com números menores que dois até maiores que nove. Quanto maior o número, mais intenso será o tremor.

O maior terremoto da história aconteceu em 1960, no Chile, e teve magnitude de 9,5 graus. Além de destruir casas e lojas, os tremores deixaram mais de 2000 mortos.

Terremoto que atingiu o Chile em 1960

O terremoto da Índia, apesar de ter sido bem forte, não causou destruições e não matou pessoas.

MAIORES TERREMOTOS DA HISTÓRIA

  • Magnitude 9.5 – Chile, 1960
  • Magnitude 9.2 – Alaska (EUA), 1964
  • Magnitude 9.1 – Sumatra (Indonésia), 2004
  • Magnitude 9.0 – Japão, 2011
  • Magnitude 9.0 – Rússia, 1952
  • Magnitude 8.8 – Chile, 2010

A Índia fica em uma região com grandes chances de ter terremotos. De acordo com pesquisadores, 60% do país corre o risco de ser atingido por tremores.

Como um terremoto acontece?

Mapa de placas tectônicas

Embaixo da terra, há blocos gigantes que são chamados de placas tectônicas. No mundo inteiro, existem vários tipos de placas: Placa Indo-Australiana, Placa das Filipinas, Placa da África, entre outros.

Por ficarem em cima de um líquido chamado magma essas placas flutuam e, por isso, estão sempre se movimentando. Quando duas placas diferentes se encontram, a chance de ocorrer terremotos aumenta.

Países que ficam próximos do encontro de duas placas, como o Japão e os Estados Unidos, têm mais chances de ter terremotos.

No caso do Brasil, tremores são raramente sentidos, pois o país está no meio de uma placa.

 

Enquete

Há quanto tempo você é leitor do Joca?

Comentários (2)

  • Laura de Oliveira Caetano Morgado

    4 anos atrás

    Que horror!!!

  • Joca

    4 anos atrás

    Ainda bem que ninguém morreu...

Compartilhar por email