Crédito de imagem: Universidade de Queensland/vídeo/reprodução

Cientistas da Universidade de Queensland, na Austrália, desenvolveram o modelo de um aparelho capaz de gerar energia ao absorver dióxido de carbono (CO2). A invenção foi descrita na revista científica Nature em 26 de março, porém a entidade só divulgou mais informações em 18 de abril.

CO2: um dos Gases de Efeito Estufa (GEEs). Esses gases sobem para a atmosfera terrestre e ficam “presos” ali, acumulando-se em uma espécie de camada que impede o calor de sair da Terra. Ao ser intensificada pela humanidade, essa ação leva ao aquecimento global. 

De cima para baixo, no sentido anti-horário: corrente externa; adsorção (tipo de retenção de átomos); coletor elétrico; nanofolhas de nitrato de boro; hidrogel puro; tampa hermética; eletricidade. Ao centro: difusão interna de íon. Crédito de imagem: Universidade de Queensland/divulgação

O modelo, batizado de Hidrogel Nanofolha-Agarose (NAH, na sigla em inglês), tem dimensões pequenas — o primeiro experimento foi feito dentro de uma caixa de 50 centímetros de comprimento por 25 cm de largura. Basicamente, o nanogerador utiliza um gel com uma substância chamada poliamina, para absorver o CO2, e nitrato de boro (outra substância) para gerar eletricidade a partir de íons — grupos de átomos que perderam ou ganharam energia. 

“Na natureza e no corpo humano, o transporte de íons é a conversão de energia mais eficiente — mais eficiente do que o transporte de elétrons que é usado na rede de energia”, explica o doutor Zhuyuan Wang, do Centro Dow Para Inovação em Engenharia Sustentável, da Universidade de Queensland.

Átomo: é um tipo de partícula minúscula que compõe o universo. Por muito tempo, acreditava-se que o átomo era o menor pedaço de algo, ou seja, que era indivisível. Foi só em 1919 que o cientista neozelandês Ernest Rutherford descobriu partículas ainda menores, como prótons, nêutrons e elétrons.

A inovação pode ser mais uma maneira para solucionar as crises ambientais atuais, uma vez que absorve um dos GEEs e ainda gera energia de modo sustentável. O grupo de cientistas planeja agora desenvolver um modelo maior, para conseguir recarregar aparelhos como celulares e computadores a partir do nanogerador.

“Até agora, o CO2 tem sido visto como um problema a ser resolvido, mas pode ser um recurso para o futuro”,

finaliza o doutor  Wang.

Fontes: Universidade de Queensland, Nature e Revista Galileu.

Ixi! Você bateu no paywall!

Ainda não é assinante? Assine agora e tenha acesso ilimitado ao conteúdo do Joca.

Assinante? Faça Login

Voltar para a home

Ou faça sua assinatura e tenha acesso a todo o conteúdo do Joca

Assine

Enquete

Sobre qual assunto você gosta mais de ler no portal do Joca?

Comentários (2)

  • aluno_somar28 aluno_somar28

    3 semanas atrás

    que descoberta encrivel

  • Jaqueline De Grandi

    1 mês atrás

    Amei saber da novidade!

Compartilhar por email

error: Contéudo Protegido