Diversos países enviaram ajuda à Índia depois de o país registrar novos recordes na pandemia, em 2 de maio: 392 mil novos casos e mais de 3 mil mortes por covid-19 em 24 horas. Os números continuaram aumentando nos dias seguintes — foram 414 mil novos casos apenas em 7 de maio.

Os Estados Unidos mandaram máscaras, cilindros de oxigênio e testes de diagnóstico rápido. A França doou 28 toneladas de equipamentos médicos. A Alemanha enviou 120 respiradores, e outras mil unidades devem ser doadas pelo Reino Unido. Cerca de 40 países participaram da ação.

A alta no contágio em março e abril levou a Índia a uma grave crise, com falta de oxigênio e vagas nos hospitais. Com recordes diários de novos casos e mortes, o país ultrapassou o Brasil, tornando-se o epicentro da pandemia no mundo. Até o fechamento desta edição, a Índia já tinha registrado um total de mais de 22 milhões de casos de covid-19, perdendo apenas para os Estados Unidos, que soma 32 milhões de infectados até o momento.

Motivos
Em fevereiro, o número de casos e mortes estava baixo na Índia, o que levou à flexibilização de medidas restritivas, como quarentenas. Mas a situação foi agravada por variantes mais infecciosas do vírus, falta de medidas do governo contra a doença, o não uso de máscaras, o desrespeito ao distanciamento social e o ritmo lento de imunização.

Até o fim de abril, 163 milhões de indianos haviam recebido ao menos uma dose da vacina no país, que tem a segunda maior população do mundo. O número representa apenas 12,5% dos 1,3 bilhão de habitantes.

#pracegover: em Nova Délhi, homens trabalham em local sagrado convertido em centro de atendimento a pacientes com covid-19 após o aumento de casos na Índia. Crédito de imagem: Anindito Mukherjee/Getty Images

Correspondente internacional
“A impressão é de que todo mundo está infectado. As pessoas estão perdendo entes queridos e estressadas pela falta de trabalho. Por causa da enorme população e da má gestão do governo, a situação é muito crítica. Faltam vacinas, medicamentos e oxigênio. Estamos recebendo ajuda da Organização Mundial da Saúde, dos Estados Unidos, da Rússia, entre outros. A pandemia me ensinou que a vida é muito importante e todos devemos cuidar dela.” Achintya K., 10 anos, mora na cidade de Rishikesh, no estado de Uttarakhand, na Índia

Esta matéria foi originalmente publicada na edição 170 do jornal Joca

Enquete

Qual modalidade dos Jogos Olímpicos você está mais animado para ver?

Comentários (0)

Compartilhar por email