Criar o hábito de leitura em crianças e adolescentes pode não ser uma tarefa fácil para os pais e educadores. É preciso entrar no mundo da criança, despertar a curiosidade e a vontade de aprender, tudo isso de forma lúdica e divertida.

Uma das maneiras de alcançar esse objetivo é utilizar histórias em quadrinhos: ao entreterem e, ao mesmo tempo, estimularem o aprendizado, elas podem ser uma poderosa ferramenta para desenvolver a leitura das crianças, pré-adolescentes e adolescentes. Continue lendo o post e saiba por que você deve inserir as histórias em quadrinhos no cotidiano dos seus filhos:

Histórias em quadrinhos e a aproximação das crianças

A ideia de que as histórias em quadrinhos poderiam afastar crianças e adolescentes da leitura de outros tipos de materiais já não existe mais.

As HQs ou gibis, como também são conhecidas, são famosas por despertarem o imaginário, o que as tornam excelentes ferramentas de incentivo à leitura. A curiosidade pode ser despertada já com pouca idade, quando os pais realizarem a leitura para os pequenos: as crianças demonstram interesse pelas histórias em quadrinhos, uma vez que, antes mesmo de serem alfabetizadas, já se comunicam por meio de desenhos.

Dessa maneira, a união do texto com as imagens incentiva a criatividade, a linguagem e o vocabulário da criança quando ela tem uma HQ em suas mãos. Se ainda não for alfabetizada, ela criará as próprias histórias ao observar os desenhos. Se estiver em processo de alfabetização, um esforço natural para compreender os balões e as falas surgirá. É nesse momento que os pais poderão entrar em cena e ajudar a criança a começar a ler.

É importante que os pais escolham os gibis para os filhos conforme a sua faixa etária, desde os mais simples e leves para os pequenos — como a “Turma da Mônica”, do Maurício de Souza —, até adaptações de clássicos da literatura para os leitores mais avançados. Atingir aos públicos de diversas idades, desde a fase de alfabetização até a adolescência, é outra vantagem das HQs.

Desenvolvimento da leitura

Por meio de adaptações para os quadrinhos, que são um nicho de mercado atual, os clássicos da literatura podem se tornar mais atrativos para os leitores mais jovens. Desse modo, a leitura deixa de ser a obrigação de “ler aquele livro grosso” e torna-se um prazer, fazendo com que o jovem busque mais informações sobre história que acabou de conhecer e, sem se dar conta, leia os livros que evitava antes, criando novos objetivos de leitura e construindo conhecimento.

Além disso, os recursos imagéticos presentes nas HQs criam uma atmosfera agradável aos olhos de quem está iniciando no mundo literário. A linguagem não verbal dos quadrinhos permite que os leitores visualizem as cenas que nos livros costumam ser somente descritas, aumentando a compreensão e prendendo a atenção do leitor.

Outro recurso vantajoso das histórias em quadrinhos são os textos em formato de diálogo, que proporcionam uma leitura mais rápida em relação ao livro. A sensação de que há “pouco texto” faz com que haja a procura de uma nova HQ ou mesmo da continuação da última que leu, criando assim um hábito de leitura que, posteriormente, poderá ser ampliado com os livros.

Estímulo do senso crítico

Os quadrinhos podem funcionar como um fomentador do senso crítico em jovens leitores ao trazer temas atuais que gerem reflexão, de modo tão eficiente quanto as obras literárias tradicionais.

Como suas representações podem estar bastante próximas da realidade, a criança estará familiarizada com os diversos tipos de linguagem (oral, coloquial, formal etc.) — o que aumenta o repertório de linguagem —, e possivelmente se identificará com as situações abordadas pelas histórias, causando momentos de reflexão e estímulo do senso crítico e da opinião. Frente as ideias às quais está sendo apresentado, o jovem leitor começa a formar questionamentos quanto a assuntos relevantes do seu cotidiano.

Ferramenta pedagógica

Hoje, as histórias em quadrinhos fazem parte de um extenso mercado. Para além de divertir e entreter, as HQs podem entrar na sala de aula como ferramenta de ensino complementar, a fim de estimular e manter o interesse dos jovens leitores aos temas em discussão.

Quando adequada à série e à idade dos alunos, de modo cuidadosamente planejado, podem trazer abordagens interdisciplinares e proporcionar aos educandos o desenvolvimento de diversas habilidades, desde psicomotoras até sociais e intelectuais. As histórias em quadrinhos também são um estímulo à concentração e ao interesse por leituras mais complexas, funcionando como um facilitador.

Em sala de aula, é possível utilizar as HQs no ensino das matérias regulares, como Geografia, História, dentre outras disciplinas. Assim, o aprendizado pode acontecer de modo mais dinâmico, pois as palavras unidas às imagens ensinam de maneira mais eficiente. Sendo uma forma de arte, sua utilização funciona na mesma medida que outras ferramentas, como a música, o desenho ou a pintura, por exemplo.

Como os pais podem inserir as HQs no cotidiano dos filhos?

Em primeiro lugar, como citado anteriormente, é preciso escolher temas que sejam adequados à faixa etária das crianças. HQs voltadas ao público teen não cumprirão a mesma função de estímulo em uma criança pequena, por exemplo.

Para os menores, procure temas que envolvam brincadeiras, personagens que criem algum tipo de identificação com a criança e as histórias com pouco texto, para que a criança não fique entediada. Os pais podem ler e fazer as atividades lúdicas propostas nas revistas junto com os filhos: em grande parte das histórias em quadrinhos infantis, as atividades são educativas — como colorir, caça-palavras e jogo dos sete erros — e despertam a curiosidade e o interesse da criança, além de ensinar.

Os leitores adolescentes podem preferir temas que causem identificação com o sua própria realidade ou os fantásticos, como os de super-heróis de franquias famosas. Não se esqueça de ficar sempre atento à classificação indicativa das HQs que eles têm em mãos.

Em tempo, lembre-se: você pode pesquisar e sugerir leituras que considere construtivas para as crianças e adolescentes, mas nunca de maneira impositiva. Uma das vantagens da utilização das histórias em quadrinhos para desenvolver a leitura é justamente esta: não parecer uma obrigação. Sempre faça com que seja uma atividade prazerosa, tanto para os maiores quanto para os menores.

Já pensou nas histórias em quadrinhos que você vai utilizar para desenvolver o hábito da leitura em seus filhos? Compartilhe o post nas redes sociais e ajude seus amigos a também desenvolverem e estimularem a leitura dos pequenos!

Enquete

O que você mais tem feito pela sua saúde mental durante a pandemia?

Comentários (0)

Compartilhar por email