As chuvas que atingiram o estado de São Paulo entre os dias 9 e 10 de fevereiro levaram várias escolas a cancelar as atividades por alguns dias. De acordo com a Secretaria da Educação, as aulas foram suspensas em 45 escolas estaduais por causa de estragos como alagamentos e deslizamentos de terra.

O Centro da Criança e do Adolescente da União Brasileiro-Israelita do Bem-Estar Social (Unibes), que oferece atividades no contraturno escolar, também teve que suspendê-las por dois dias. Na instituição, pisos das oficinas de teatro e dança foram danificados. Segundo a aluna Jhennifer F., de 14 anos, o estrago poderia ter sido pior se não fosse pelos funcionários. “Eles fizeram o possível para que as atividades fossem retomadas [antes mesmo de uma reforma]”,comenta.

higienização após enchente
Higienização no pátio do Colégio Santa Cruz após a enchente / #pracegover: funcionário em uniforme cinza faz a limpeza do pátio do colégio Santa Cruz com jatos de água. Foto: Helena Rinaldi.

Algumas escolas particulares também precisaram suspender as aulas. Em pontos do pátio do Colégio Santa Cruz, por exemplo, a água chegou a 1,80 metro de altura. Os estudantes ficaram sem atividades por três dias. Outro problema causado pelas enchentes na escola foi a perda de materiais. “Muitos escaninhos, em que guardamos os nossos materiais, ficaram alagados”, conta o aluno Vitor N., de 9 anos.

Quem ajudou o colégio a retomar as atividades também foram os funcionários. “Alguns deles sabiam que a escola estava alagada e, mesmo assim, foram ajudar”, explica Catarina S., de 10 anos. Para agradecê-los, os estudantes escreveram cartas e fizeram cartazes, entregues em uma cerimônia em homenagem aos profissionais.

cartaz homenagem aos funcionários
Alunos do Colégio Santa Cruz fizeram cartazes para homenagear os funcionários, que ajudaram a limpar a escola após as enchentes. / #pracegover: cartaz feito pelos alunos com desenhos que homenageiam funcionários que ajudaram na limpeza da escola. Foto: arquivo pessoal.

Iniciativas ao redor do mundo para conter enchentes
Cidades como Nova York, nos Estados Unidos, e Taizhou, na China, têm soluções para absorver a água das chuvas, evitando alagamentos. São as “cidades-esponja”. Confira algumas destas iniciativas:

telhados verdes
Vegetação nos telhados dos prédios ajudam na absorção de água das chuvas. / #pracegover: telhados de prédios possuem jardins verdes para ajudar na absorção de água das chuvas. Imagem: reprodução.
  • Coberturas permeáveis no chão: um tipo de asfalto permite que a água entre no solo.
  • Praças-piscinas: geralmente são quadras esportivas. Por causa da profundidade — é necessário descer uma arquibancada para chegar até elas —, armazenam parte da água das chuvas que, depois, é retirada.
  • Telhados verdes: a vegetação no teto absorve mais água do que o cimento, por exemplo.

 

Esta matéria foi originalmente publicada na edição 144 do jornal Joca.

Enquete

Qual foi o seu game preferido do ano, até agora?

Comentários (0)

Compartilhar por email