Montagem mostra cinco meninas jogadoras de futebol. Arte: Suzana Obara

Montagem mostra cinco meninas jogadoras de futebol. Arte: Suzana Obara

A Copa do Mundo feminina terminou no dia 7 de julho, mas o futebol continuará sendo assunto recorrente na vida destas cinco meninas. Com idade e histórias diferentes, elas têm uma coisa em comum: sonham em se tornar atletas profissionais e dar alegria a milhares de torcedores. Ao Joca, elas contaram sobre suas trajetórias: dos primeiros passos no esporte às alegrias, dificuldades e sonhos. Confira.

Leia mais: Estados Unidos conquistam 4º título da Copa do Mundo feminina

Heloísa P., 8 anos

Heloísa segurando o troféu que venceu por ser a melhor em quadra em uma partida da escola de futebol. Foto: Arquivo pessoal

“Comecei a jogar futebol quando tinha 7 anos. Jogava na garagem da minha casa, com os meus amigos. Só tinha eu de menina. Hoje, eu jogo em uma escolinha de futebol e em um projeto social. Recebo muito apoio do meu pai, que joga bola comigo na praia e sempre me incentiva e dá conselhos. Amo futebol e gostaria de ser jogadora um dia. Sou palmeirense, e o meu sonho é jogar no Palmeiras. O meu ídolo é a jogadora Ludmila, que joga na seleção brasileira. Eu já encontrei com ela e tirei uma foto. Eu assisti à Copa do Mundo feminina deste ano. Achei muito legal, as mulheres do Brasil jogaram com muita raça. Na minha opinião, para ser uma boa jogadora de futebol, é preciso ter atenção na bola e muita concentração.”

Thamires V., 17 anos

Thamires já participou de vários campeonatos, entre eles o Brasileirão sub-18. Foto: Arquivo pessoal

“Quando eu era pequena, sempre ia assistir ao meu irmão jogar futebol. Comecei a gostar do jeito como ele jogava e coloquei na minha cabeça que queria ser jogadora. Estou lutando para isso até hoje. Já participei de campeonatos como Taça das Favelas, Brasileirão sub-18 e Paulista sub-17. Comecei treinando em uma escola de futebol em que jogava só com meninos e depois fui para um projeto social em que fiz parte de um time feminino. Depois, fui para o time Audax e agora estou na base do clube Ponte Preta. Eu treino todos os dias no período da tarde. Nos treinos, nós fazemos aquecimento, finalizações, cruzamentos, entre outras atividades. Além disso, participamos de um jogo-treino contra as profissionais da Ponte Preta. Para entrar no clube, tive que passar por uma peneira [processo para selecionar atletas talentosos]. Morava em São Paulo e tive que ir para São José do Rio Preto para ser avaliada durante uma semana. Fiquei nervosa, mas tentei deixar o nervosismo de lado e mostrar o meu futebol. Meu maior sonho é jogar na seleção brasileira e ajudar o meu time. Também gostaria de jogar no time Paris Saint-Germain, clube da jogadora Formiga, que é uma inspiração para mim. Já sofri preconceito por ser menina e gostar de jogar futebol, mas eu não ligava e tentava jogar cada vez mais para não deixar as pessoas falarem de mim. Acho que as meninas nunca deveriam desistir dos seus sonhos. Pode demorar, mas você vai conseguir realizá-los.”

Nicolly Cristine V., 10 anos

Nicolly sonha em jogar no Corinthians e na seleção brasileira. Foto: Arquivo pessoal.

“Tinha 8 anos quando uns amigos da minha rua começaram a me ensinar a jogar, dando dicas de como tocar a bola, driblar… Depois disso, comecei a gostar muito de futebol. Hoje, jogo na educação física, na rua e no recreio. Não encontro muitas meninas jogando. Às vezes, vejo algumas praticando em festas, mas não no meu dia a dia. Meu pai vai me colocar em uma escolinha de futebol. Estou muito animada para começar a treinar. Vou aprender bastante. Gosto de jogar no ataque, e meu sonho é jogar na seleção brasileira e no Corinthians. De todas as jogadoras do Brasil, na que eu mais me inspiro é a Marta. Até pedi para o meu pai comprar uma chuteira igualzinha a dela. Eu vi todos os jogos do Brasil na Copa e chorei muito quando fomos eliminados. Para as meninas que querem jogar futebol, eu desejo boa sorte e aconselho a não desistirem.”

Vitória L., 17 anos

Vitória joga na base do São Paulo. Foto: Arquivo pessoal.

“Com 7 anos, comecei a jogar com um time de meninos que moravam no meu bairro. Então, aos 15, uma amiga me levou para o Projeto 9 [iniciativa social que fica na Casa Verde, em São Paulo, e incentiva garotas a jogar futebol]. Lá, nós treinávamos fundamentos – passe, finalizações, marcações, entre outros – e participávamos de campeonatos. Disputei competições como Taça Cidade São Paulo e Taça das Favelas, na qual fomos campeãs uma vez. Eu gostava muito do projeto, fui recebida com muito carinho. Não tinha patrocínio, tudo era bancado pelo dono. Ele vendia rifas para comprar bola e outros materiais para a gente e chegou a vender um carro e uma van para comprar um veículo melhor e nos levar para as competições. Às vezes, não tinha condução para eu ir ao treino, e o técnico e as outras meninas me ajudavam como podiam. Quando eu tinha 16 anos, surgiu uma peneira para a base do São Paulo. Eu não queria participar porque não queria sair do Projeto 9. Então, o técnico de lá me chamou e disse: ‘Você vai ao teste. Quero que você passe’. Depois de enfrentar três fases, fui aprovada. No São Paulo, treino todos os dias, no horário da tarde. Eu sonho com a seleção brasileira. Quero ser a substituta da jogadora Formiga. Eu me inspiro muito nela e na minha técnica do Projeto 9. Quando alguém faz algum comentário preconceituoso por eu gostar de jogar bola, reajo mostrando o meu talento. Acho que o Brasil deveria valorizar mais o futebol feminino, que não tem muita visibilidade aqui.”

Maria Eduarda N., 11 anos 

Maria Eduarda costuma participar de competições em seu prédio. Foto: Centro da Criança e do Adolescente – Unibes.

“Aos 5 anos, já assistia aos jogos de futebol na televisão com o meu pai. Aos 7, comecei a jogar com os meninos do meu prédio em uma quadra que tinha ali perto. Do que eu mais gosto nesse esporte são as regras e a emoção que sentimos enquanto estamos jogando ou assistindo a uma partida. Não faço treino profissional, mas gostaria. Aprendi o que eu sei assistindo aos jogos e jogando na rua com os meus amigos. Meu sonho é integrar a seleção de futebol brasileira, como a Marta e a Ludmila fizeram. Eu jogo como goleira e zagueira, mas prefiro ficar no gol, que é onde me saio melhor. Eu diria que o meu maior talento é o chute, pois consigo chutar a bola bem longe e, assim, ajudar o time a se defender. Uma coisa legal é que lá no meu prédio nós fazemos campeonato de futebol e temos os outros prédios como adversários. O vencedor ganha até medalha. Uma dica que eu daria para as meninas é que nunca desistam dos seus sonhos e insistam em jogar, mesmo com as pessoas dizendo que garotas não deveriam jogar bola. Foquem na seleção feminina e escutem a Marta, por exemplo. Ela é uma vencedora e nós também podemos ser.”

Enquete

Qual é o acontecimento mais esperado de 2020?

Comentários (7)

  • EMEF MAILSON DELANE, PROF.

    3 meses atrás

    mulher jovem jogando bola andrei 8

  • EMEF MAILSON DELANE, PROF.

    3 meses atrás

    meu nome é carlos henrique eu achei muito bom vcs gostarem de futebol continuem com seus sonhos de serem atletas

  • EMEF Prof. Laerte José dos Santos

    3 meses atrás

    Boa iniciativa Nicolly, parabéns, espero que consiga realizar seu sonho. Sophia 4 ano D Parabens Nicolly, que você vire uma atleta da seleção. Iara 4 ano D Parabens Nicolly, quero que você tenha muita sorte para jogar na seleção brasileira. Murillo 4 ano D Parabéns Nicolly, espero te ver um dia na seleção brasileira. Patrik 4 ano D Eu gostei muito da entrevista da Nicolly e eu também gosto de jogar futebol, mas meu pai disse que ele vai me colocar só no próximo ano. Gabrielly Reis 4 ano D

  • Murilo Salinas Mora

    4 meses atrás

    é isso aííí meninas!!! continuem jogando até conquistarem o sonho de voces e não deixe nenhuma barreira parar voces Murilo 10 anos

  • Tiago

    4 meses atrás

    O meu sonho também é jogar futebol, minha posição é atacante. (Jorge Luis - 6 anos)

  • Júlia Guimarães de Toledo

    4 meses atrás

    NUNCA DESISTAM pelo q li na reportagem do joca vcs vao conseguir brilhar muito nao liguem para comentarios maldosos e sigam em frente com a cabeça erguida BOA SORTE

  • EMEF Prof. Laerte José dos Santos

    4 meses atrás

    Parabéns meninas!!! Vocês vão longe e formam um time de vencedoras. #CRAQUESDOJOCA

Compartilhar por email